A Vida de Uma Bailarina

blog-image
Compartilhe

     Bárbara Lins.

     Alagoana, bailarina, professora e coreógrafa, Bárbara Lins começou seus estudos de ballet em 1996, com 6 anos de idade, na escola de Ballet Eliana Cavalcanti em Maceió. A partir daí, acabou descobrindo a sua paixão pela arte.

     Em 1998, de todos os bailarinos da escola, foi escolhida para fazer um papel principal no Espetáculo chamado “Alegria”, onde seus bonecos teriam vida própria, podendo desfrutar deste momento mágico e especial.

     Em 2007, foi convidada a dar aulas na Escola de Ballet Eliana Cavalcanti e decidiu aprimorar seus estudos como professora ingressando na Faculdade de Licenciatura em Dança na UFAL. A partir daí, decidiu levar esse “hobby” para uma lado mais profissional. Ouvia constantemente pessoas perguntando: “O que você faz?” e respondia: “Sou bailarina/professora de ballet”, “Ah que legal. Mas qual a sua profissão?” ou ainda mesmo dizendo que ser bailarino "não dá futuro pra ninguém. Ainda fez faculdade de direito como um segundo recurso mas viu que não seria feliz. Então, se empenhou a quebrar esse tabu.

     No período de 2009 a 2014, recebia papéis principais nos espetáculos em que participava e foi solista na Cia de Ballet Eliana Cavalcanti, onde teve o prazer de dançar diferentes repertórios de Ballet, como Don Quixote, O Quebra-Nozes, Coppélia e O corsário, com partners profissionais como Guilherme Oliveira e Welton Nascimbene.

     Investiu muito nessa carreira fazendo diversos cursos (a maioria deles em São Paulo) e em um deles. chamado Mostra Dança, Curso Russo em 2013, direcionado por Stefania Petri e Erik Silva, fez uma audição para a escola de ballet Chicago e foi selecionada. No mesmo ano, fez o Summer Intensive em Chicago por 3 meses e foi convidada para o ano letivo na escola. Conseguiu meia bolsa de estudos mas o valor ainda seria exorbitante para as despesas e foi forçada a retornar ao Brasil.

     Essa decisão não a abalou e ela estava decidida a seguir seus sonhos. Então, em 2015. foi para Belo Horizonte fazer outra audição, desta vez para o Joffrey Ballet School. Mais uma vez foi selecionada e teve a oportunidade de escolher o local, pois eles possuíam 7 locais de aula diferentes. Ela escolheu Nova Iorque, fez o Summer Intensive por 2 meses e foi convidada para o ano letivo na escola. Dessa vez, fez o ano letivo por quase 4 meses antes que a história se repetisse: Não conseguiu bolsa integral, já que geralmente a bolsa integral era dada apenas à rapazes, pela grande demanda de bailarinas no Mercado, e foi forçada a retornar ao Brasil.

     Como diz o ditado: “sou brasileiro e não desisto nunca”, Bárbara não desistiu. Usou suas economias, vendeu seu carro e, com o apoio de seus pais, voltou para Nova Iorque no ano seguinte.

     Em 2016, decidiu fazer um curso de aprimorização em dança chamado Certificate Program na Peridance Capezio Center, no qual se graduou 2 anos depois. Porém, esse período não foi nada fácil. Viver sozinha no exterior era difícil de descrever. Com o visto de estudante, não conseguia trabalho, e em muitas cias de dança a carteira de trabalho é necessária. Imaginem como era, passar em audições de cias de dança conceituadas e ser recusada por causa de documentos! A única coisa que pôde fazer durante os dois anos de estudos foi participar de projetos e ser contratada em cias por meio período (por exemplo, em 2017 assinou o contrato pela Cia de Ballet em Connecticut por 3 meses para participar da apresentação do Quebra-Nozes).

     Depois de finalizar o curso pela Peridance em 2018, conseguiu o visto de OPT (Optional Practical Training), que dá o direito de trabalho nos Estados Unidos.

     Atualmente, Bárbara é integrante de 3 cias de dança diferentes: Encounters Company, Jersey City Ballet Theater e American Swiss Ballet Company. Teve o prazer de participar pela primeira vez em uma tour com ASBC pela Europa, dançando em festivais e apresentações na França, na Itália e na Suíça.

 

 

 

Ajude-nos a manter o trabalho da Dança Brasil!

Nosso jornalismo acompanha e divulga a arte da dança.

Está a serviço da arte da dança e da diversidade de opinião.

Há 27 anos, a Dança Brasil exercita o jornalismo transparente, fiel à verdade factual, atenta à diversidade cultural na área da dança.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores.

Faça parte da Dança Brasil! Assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica.

A arte da dança agradece.

Clique no link abaixo e faça sua assinatura anual por apenas R$ 55,00.

https://www.paypal.com/webapps/hermes?token=32F02702HK5524050&useraction=commit&mfid=1553687958902_64c5971e79a3b