TAMPOCO HAY CASA

blog-image
Compartilhe

A proposta de encenação da obra é uma continuação da pesquisa da Companhia, que investiga diversas formas de produzir conteúdo cênico, passando pela coreografia, as partituras e a improvisação. “Tampouco Hay Casa” tem música ao vivo, improvisada livremente por Mariana Carvalho a partir da partitura da Cia Antônima. Mariana também atua como performer nas apresentações, aparecendo em cena tocando, ao lado das intérpretes criadoras: Adriana Nunes, Anna Luiza Marques, Camila Miranda e Isadora Prata. Cada uma das artistas estará na sua casa no momento da apresentação. O figurino é assinado por Anna Luiza Marques e a iluminação é de Lúcia Galvão.

O despertar da obra nas palavras da Companhia:

O confinamento obrigatório num momento de pandemia, como toda mudança abrupta, conduz os indivíduos e a sociedade por um caminho em que deparamos com o susto inicial mas nos agarramos à ideia de que tudo voltará logo a ser como antes. Passamos para o entendimento de que, na verdade, não há mais volta e buscamos nos adaptar. E chegamos aonde? Ainda não sabemos. Mas já sabemos que como em qualquer outra forma de vida, a vida em quarentena traz angústias e possibilidades, nostalgias e novidades. 

Tentamos transformar nossa casa em espaço de trabalho, sala de ensaio, palco, escola dos filhos, bar, café, e ainda preservá-la como espaço de intimidade, privacidade, segurança. A casa tem força para ser tudo isso? A sensação de voltar para casa no fim do dia ainda é possível? Onde está nosso canto preferido da casa? Ainda há casa?

No hay tema, tampoco hay casa.

 

Antônima Cia de Dança

A Antônima Cia de Dança desenvolve desde 2010 sua pesquisa de composição em dança que pretende investigar diversas formas de produzir conteúdo cênico, passando pela coreografia, as partituras e a improvisação. Desenvolve também um trabalho que propõe o diálogo entre a dança e a poesia, que resultou na “Trilogia do Inevitável”. A trilogia é composta pelas peças “História das Demolições”, com textos de Fabrício Corsaletti; “Só”, com textos de Noemi Jaffe escritos especialmente para o projeto; e “Isso ainda não nos leva a nada”, com textos de Bruno Brum. Entre 2011 e 2012 o grupo participou de performances na região da Luz, em São Paulo, para as filmagens do curta-metragem “Buracos Negros”, de Nana Maiolini, que foi premiado na Mostra Livre de Filmes e integrou a exposição “O Abrigo e o Terreno”, no MAR, Museu de Arte do Rio de Janeiro, como parte do trabalho do Coletivo Usina, Sem Título (Imagens de cidade real X imagem de cidade vendida pelo mercado imobiliário ou Nova Luz, mas poderia ser Porto Maravilha). Em dezembro de 2012 gravou o vídeo-dança Antônima, no Instituto Butantã, em São Paulo. Em abril de 2013 estreou o espetáculo “História das Demolições” no Teatro do Morro do Querosene, em São Paulo. O espetáculo reestreou em 2016, no FEIA (Festival do Instituto de Artes da Unicamp). Em outubro de 2013 apresentou, em parceria com a banda Projeto_Risco, espetáculo de improvisação inspirado no tema “Símbolos de Transformação” no XXI Congresso da Associação Junguiana do Brasil. Entre dezembro de 2013 e abril de 2014 desenvolveu o projeto Flash Mob para a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, como parte das ações da FDE para o Programa Escola da Família. A partir do tema Comunidade Leitora, o trabalho foi estruturado através da integração dança/literatura. Em novembro de 2014 a companhia participou da mostra “Dani Mattos Convida”, no Café Piu Piu, com o espetáculo “O que você me dá”, ao lado de banda formada por Daniel Doctors, Lucas Martins e Carolina Delleva.

Ficha Técnica:

Direção: Adriana Nunes

Intérpretes criadoras: Adriana Nunes, Anna Luiza Marques, Camila Miranda, Isadora Prata

Direção e performance musical: Mariana Carvalho

Figurino: Anna Luiza Marques

Iluminação: Lúcia Galvão

Design Gráfico: Estúdio Clarabóia 

Produção: Ana Elisa Mello e Samya Enes - Cotiara Produtora

Produção de conteúdo: Isadora Prata 

 

Quando e Onde:

Datas de apresentação: 14, 16, 21, 23, 28, 30 de março 

Horário: 17h (a confirmar)

Apresentações via plataforma Zoom.

Duração:60 minutos

Classificação etária: 14 anos

https://antonimacia.wordpress.com/

 

Ajude-nos a manter o trabalho da Dança Brasil!
Nosso jornalismo acompanha e divulga a arte da dança.
Está a serviço da arte da dança e da diversidade de opinião.
Há 30 anos, a Dança Brasil exercita o jornalismo transparente, fiel à verdade factual, atenta à diversidade cultural na área da dança.
Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores.
Faça parte da Dança Brasil! Assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica.
A arte da dança agradece.
Clique no link abaixo e faça sua assinatura anual por apenas 3xR$37,00

https://linoleo.com.br/assine