SPCD estréia O LAGO DOS CISNES

blog-image
Compartilhe

O Lago dos Cisnes

A partir de 14 de novembro, o público poderá conferir no Teatro Sérgio Cardoso em São Paulo, O Lago dos Cisnes de Mario Galizzi, um especialista em balés clássicos, que já coreografou outras obras para a SPCD. Uma temporada inesquecível, com apresentações de quarta a domingo até o dia 02 dezembro, todas com recursos de acessibilidade. A obra é dançada com grande sucesso pelas principais companhias do mundo, desde o final do século XIX, além de marcar presença no cinema, a exemplo do filme Cisne Negro, com Natalie Portman, que ganhou um Oscar pelo trabalho e também com uma versão em desenho, da boneca Barbie.

O Lago dos Cisnes é um balé com música especialmente composta por Tchaikovsky que estreou em 1877 no Teatro Bolshoi, mas somente em 1895, com nova coreografia de Marius Petipa e Lev Ivanov, para o teatro Mariinsky, em São Petersburgo, se tornou um enorme sucesso.  E agora nasce o Lago dos Cisnes da São Paulo Companhia de Dança, feito sob medida para os artistas da casa. A coreografia de Galizzi dialoga com a tradição e se renova nas relações dos personagens, no detalhe da pantomimas, nos desenhos das cenas, em sintonia fina com a música emblemática de Tchaikovsky e coloca todos os artistas em cena, além dos convidados especiais para esta temporada: Luiza Lopes, Ilara Lopes, Emmanuel Vazquez e Lucas Lima. Os três primeiros integraram a equipe artística da Companhia e Lucas criou uma obra para o Ateliê de Coreógrafos Brasileiros. Eles voltam para a comemoração dos 10 anos da Companhia! Também são convidados especiais, os jovens integrantes do programa Fábricas de Cultura da Organização Social Catavento Cultural e Educacional, que neste espetáculo interpretam os nobres da corte, soldados e trompeteiros, possibilitando a eles uma vivência da realidade do mundo profissional da dança. Por meio de parceria com o Instituto de Botânica, foi possível também realizar um ensaio fotográfico no lindo espaço do Jardim Botânico de São Paulo.

Entrevistamos Inês Boega Bailarina, jornalista, escritora, documentarista e diretora de São Paulo Companhia de Dança fala sobre a nova estreia

DB - O Lago é um dos balés mais encenados no mundo, como estão os preparativos ?

Inês Bogea - O Lago dos Cisnes é um balé maravilhoso e complexo. Seu  sucesso se deve à beleza da música de Tchaikovsky, à mensagem poética e ao conflito psicológico que caracteriza os heróis, cujo destino prende a atenção das mais diferentes plateias. A preparação está intensa em muitos setores: seja na sala de ensaio na qual eu, ao lado dos ensaiadores, buscamos trabalhar com os bailarinos para dar vida aos personagens, manter o estilo, cuidar da técnica e dos detalhes solicitados pelo coreógrafo; seja na criação e confecção dos cenários e figurinos que ao lado da equipe de produção e técnica, cuidamos para que as ideias se transformem e realidade. Seja ainda na parte de divulgação e compreensão da dimensão deste balé, que com a equipe de educativo e memória, estudamos uma maneira interessante de comunicar com público em geral.

 

DB - Como foi a escolha de Mario Galizzi como coreógrafo para esta estreia ?

Inês Bogea - Convidei Mario Galizzi, pela sua experiência e conhecimento em relação a tradição clássica,  assim podemos trazer um olhar de hoje sobre a tradição. Ele já criou outros balés para a São Paulo (La Sylphide, Le Spectre de La Rose, e pa de deuxs) e esteve conosco em vários momentos, assim, conhece bem os artistas da casa e temos um diálogo muito interessante.

 

DB - Será uma remontagem original ou podemos esperar alguma novidade ?

Inês Bogea - O Lago da São Paulo Companhia de Dança foi feito sob medida para os artistas da casa. A coreografia de Galizzi dialoga com a tradição e se renova nas relações dos personagens, no detalhe da pantomimas, nos desenhos das cenas, em sintonia fina com a música emblemática de Tchaikovsky e coloca todos os artistas em cena além dois convidados especiais para esta temporada: Luiza Lopes, Ilara Lopes, Emmanuel Vazquez e Lucas Lima. Os três primeiros integraram a equipe artística da Companhia, e Lucas criou uma obra para o Ateliê de Coreógrafos Brasileiros. Agora voltam na comemoração dos 10 anos da Companhia. Convidados também especiais, são os jovens integrantes do programa Fábricas de Cultura, da Organização Social Catavento Cultural e Educacional, que nesta temporada interpretam os nobres da corte, soldados e trompeteiros, possibilitando a eles uma vivência da realidade do mundo profissional da dança. Serão 4 diferentes casais principais – Thamiris Prata com Emmanuel Vazquez, Luciana Davi com Geivison Moreira, Paula Alves com André Grippi, além dos convidados citados acima | dois Bufões – Yoshi Suziki e Hiago Castro | três Magos: Joca Antunes, Diego de Paula e Bruno Veloso. É muito interessante observar com o balé muda com a energia de cada intérprete.

Os cenários de Marco Lima apresentam três diferentes espaços: o jardim do palácio, no qual o príncipes e seus amigos comemoram seu aniversário, quando sua mãe lhe lembra que deve se casar, assumindo as responsabilidades do seu reino; a floresta com o lago, do qual surgem as criaturas mais belas – as princesas aprisionadas no corpo de um cisne pelo mago Rothbart; e o salão de baile do castelo, no qual o Cisne Negro engana o príncipe, que não poderá mais salvar o Cisne Branco da magia de Rothbart. Os figurinos de Fabio Namatame criam uma corte delicada, colorida e alegre na primeira cena, em contraponto com uma terceira cena mais sombria. Os tutus – roupa típica da bailarina, com tules ao redor do quadril – das segunda e quarta cenas, foram confeccionados por Tânia Agra, com suaves brilhos, que sobre o branco intenso iluminam o palco com os movimentos das bailarinas. A luz de Wagner Freire intensifica a dramaturgia da obra e cria climas distintos nos diferentes atos. Uma grande história do balé, para toda a família sonhar e se emocionar.

 

DB -  Quais as novidades da SPCD para 2019 ?

Inês Bogea -  No próximo ano, teremos várias novidades, neste momento posso anunciar algumas: o lançamento do livro de 10 anos da Companhia, a turnê pela Alemanha, Holanda, Suíça e França. A temporada no Teatro Sérgio Cardoso que será em julho e outubro/novembro e apresentações na Sala São Paulo em agosto. Daremos continuidade a circulação pelo Estado de São Paulo e aos programas de memória – com lançamento de um Figuras da Dança, e educativos com Palestras, Oficinas e outras atividades.

 

Quando e Onde:

De 14 a 18 de novembro

De 21 a 25 de novembro

De 28 de novembro a 02 de dezembro 

Quartas, Quintas e  Sábados 21h00 | Sextas 21h30 | Domingos 18h00

Indicação classificativa: Livre.

 

ESPETÁCULO GRATUITO PARA ESTUDANTES E TERCEIRA IDADE

Dias 13 e 22 de Novembro | terça e quinta-feira, às 15h00 (Inscrições encerradas)

Local: Teatro Sérgio Cardoso

Endereço: Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo/SP

Capacidade: 835 lugares