RIO H2K 2017 – FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇAS URBANAS

blog-image
Compartilhe

Entre 13 e 18 de junho, o Rio de Janeiro é palco da sétima edição do Rio H2K. O festival internacional promove as danças urbanas e suas múltiplas vertentes de forma ampla e acessível a todos os públicos e idades. A abertura oficial está marcada para o dia 13, no Teatro Municipal Carlos Gomes, com duas atrações inéditas no Brasil: Lil Buck, jovem dançarino americano de street dance, e Cie Zahrbat, companhia francesa de hip-hop e dança contemporânea. No dia 14, o trio franco-brasileiro formado por Cyrille Brissot, JP Black e Wagner Faria apresenta o projeto multimídia Incandescente 24hLuz, no Teatro Cesgranrio. De 15 a 18, o Rio H2K ocupa a Cidade das Artes, onde a programação inclui espetáculos, workshops, competições, batalhas de danças, bate-papos e festas.

O Rio H2K tem direção do produtor Miguel Colker. A direção artística é de Bruno Bastos, que divide a curadoria com o francês Guy Darme, ex-diretor da Bienal de Dança de Lyon e da instituição Maison de la Danse. “Queremos inspirar as pessoas a dançar. É um festival que coloca mais o público para dançar do que para assistir”, diz Colker, sem deixar de enfatizar o compromisso que eles têm em incentivar e fomentar a profissionalização das companhias de danças urbanas no país, além de investirem em ações sociais em quatro comunidades do Rio, com aulas regulares, durante o ano. “Pela primeira vez, vamos patrocinar um grupo amador de street dance com um prêmio de R$ 15 mil, para ser investido na montagem de um espetáculo que será apresentado na edição do ano que vem”, adianta o diretor.

Desde a sua primeira edição, em 2011, a essência do Rio H2K é a dança urbana e os seus diferentes gêneros, que vão desde os estilos originais que surgiram nos Estados Unidos, entre as décadas de 1960 e 1980 (breaking, hip hop, dance house, locking e popping) até as criações mais recentes (dancehall, krumping, stiletto e videodancing). Em 2014, o festival incorporou com sucesso aulas de sapateado e batalhas de passinho. “Nesta edição, vamos ampliar ainda mais o leque com novas danças. Teremos professores de afromix, coco de roda, jongo, stepping e zouki”, explica Bastos. “Nós temos uma parceria com o maior dance camp da Europa, o Fair Play Dance Camp, na Polônia. Na última edição, eles fizeram uma promoção e uma dançarina da Espanha ganhou uma bolsa para vir fazer aulas no festival deste ano. Agora, nós faremos essa mesma promoção para levar um brasileiro para participar do Fair Play, em agosto”, destaca Bastos.

Durante seis dias, a cidade recebe importantes coreógrafos e companhias brasileiras e estrangeiras de sete países: Alemanha, Angola, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Inglaterra e República Tcheca. A programação se concentra na Cidade das Artes. No maior complexo cultural da cidade, o Rio H2K ocupa os espaços tradicionais (Grande Sala, foyer superior da Grande Sala, Teatro de Câmera, Sala de Música Eletroacústica, Sala de Dança e Sala 1) e cria três novos ambientes (Praça, Palco Start e Palco Solar) para receber os workshops e as apresentações do Showcase.

Para quem quiser ter a experiência de viver 24 horas dentro do festival e acampar ao ar livre, na Cidade das Artes, o Kemp é uma oportunidade única. As barracas individuais são dispostas no jardim e estão disponíveis para quem adquirir o “passaporte com acampamento”. A produção oferece vestiários com chuveiros, área de convivência (com pontos de energia), água potável e posto médico. O regulamento completo está disponível no site do evento.

MOSTRA DE ESPETÁCULOS

O festival programou seis espetáculos nacionais e estrangeiros. A abertura oficial do Rio H2K 2017 está marcada para o dia 13 de junho, no Teatro Municipal Carlos Gomes, com duas atrações inéditas no país: Lil Buck e Cie Zahrbat.

Nascido em Chicago, o jovem dançarino americano de street dance Lil Buck ficou conhecido depois que o cineasta Spike Jonze gravou e divulgou no YouTube a sua performance The Dying Swan, ao lado do violoncelista Yo-Yo Ma, em 2011. De lá pra cá, Buck fez parte da turnê MDNA World Tour, da Madonna; e do show Michael Jackson: The Immortal World Tour, do Cirque du Soleil. Lil virou também queridinho de marcas internacionais. Ele dança com Mikhail Baryshnikov no comercial da linha masculina da Rag & Bone. Criou uma exclusiva linha de sapatos e camisas inspiradas no seu próprio estilo para a Versace e apresenta o fone sem fio do iPhone 7 dançando pelas ruas da Cidade do México.

Na mesma noite, a companhia francesa Cie Zahrbat apresenta Sillons. O coreógrafo Brahim Bouchelaghem foca em um dos temas mais essenciais para a dança: o espaço. Cercado por quatro dançarinos de diferentes técnicas – hip-hop e dança contemporânea – ele cruza o palco, com paixão e passadas fortes, buscando incansavelmente extrair a essência que rege esse tema, além da área do palco estão escondidos indivíduos, o que os liga ou os separa. Cada artista é responsável pelo seu trajeto e cada individualidade ecoa no grupo, criando uma área comum que dá existência a relacionamentos invisíveis entre os corpos. A batida da música eletrônica tocada por Nicolas Zorzi e a presença magnética dos dançarinos são os elementos que conduzem essa montagem hipnotizante.

No dia 14 de junho, o Teatro Cesgranrio recebe o trio franco-brasileiro formado por Cyrille Brissot, JP Black e Wagner Faria para uma apresentação do projeto multimídia Incandescente 24hLuz. O espetáculo é um encontro artístico, científico e cultural, entre a arte urbana e as novas tecnologias, entre França e Brasil, entre a dança de rua e a música eletrônica em tempo real, entre o grafite e a tecnologia visual digital. O trio proporciona um espetáculo visual e sonoro. A mistura de sons, luzes e imagens na live performance provoca uma reflexão sobre a dificuldade de viver a realidade de todos os dias e a possibilidade de transformação que nasce na fusão da arte com a vida.

A Mostra de Espetáculos continua na Grande Sala, na Cidade das Artes com Roots, no dia 15 de junho. Interpretado por Thiago Soares, primeiro bailarino do Royal Ballet de Londres e considerado pela crítica um dos melhores dançarinos de sua geração, e Danilo D'Alma, bailarino e coreógrafo reconhecido no cenário das danças de rua do Rio, Roots promove um diálogo entre a dança de rua contemporânea e o balé clássico. Com direção de Renato Cruz e Ugo Alexandre, o espetáculo resgata o início da vida artística do bailarino Thiago Soares no Rio, dançando break e hip-hop nas ruas e festas da Zona Norte. O músico e multi-instrumentista Pedro Bernardes assina a trilha sonora original executada ao vivo.

Também na Grande Sala, o público confere duas apresentações no dia 16 de junho, com os artistas franceses Antoinette Gomis e Enfant Prodiges. Criado e interpretado por Gomis, Imagens é um solo inspirado na música da cantora e compositora americana Nina Simone. Apontada como um dos principais nomes do cenário da dança urbana francesa, fez parte do musical Kirikou, dirigido por Wayne McGregor, além de ter se apresentado com Madonna, em Nova York, e Chiambretti, no Sunday Night Show, em Milão. Além de dançarina e coreógrafa, Gomis é modelo e já estrelou campanhas para marcas como Nike, Adidas e Puma.

Enfants Prodiges é formado por Frankwa, Bouboo, Malkom, Nelson, Dee, Willow, Marvin, Kefton, Chakal and Kapela – considerados os dez melhores dançarinos da cena hip hop da França. Cada um deles construiu sua reputação por meio de conquistas nas maiores batalhas pelo mundo e por trabalhar com grandes artistas e marcas. No palco, eles alternam, sem esforço, entre várias técnicas e estilos (top rock, house, newstyle, locking, krump, breaking e popping).

MOSTRA NOVOS RUMOS

No dia 17 de junho, o Teatro de Câmara, na Cidade das Artes, recebe a Mostra Novos Rumos, um espaço para jovens companhias e talentos brasileiros mostrarem seus espetáculos. Nessa edição, o Rio H2K programou apresentações dos grupos Brainstorm Dance Company, D-Efeitos e XDC.

A Brainstorm Dance Company apresenta Sobre a verdade, espetáculo que traz à tona a violência contra a mulher. Apesar de polêmico e forte, o tema é abordado de maneira leve e tem como intuito, por meio da arte, construir um mundo com mais igualdade, solidariedade e liberdade. O grupo paulista D-Efeitos mostra D-Versos, um trabalho que mistura dança urbana e influências da glitch art – estética que tem como ponto de partida “defeitos digitais”, como imagens distorcidas e pixels estourados. O show se ambienta em “Mutrópolis”, cidade-laboratório fictícia dos robôs. Os dançarinos se apropriam de diversos estilos (waving, animation, robboting e warping) para simularem os movimentos das máquinas e as imperfeições que podem vir a apresentar.

WORKSHOPS

Ministrados por coreógrafos internacionais e nacionais, os workshops de diferentes estilos estão disponíveis para todos os públicos (iniciante, intermediário e profissional). O Rio H2K traz dançarinos que já trabalharam com artistas consagrados do pop mundial, como Britney Spears, Beyoncé, Justin Bieber, Justin Timberlake, Madonna, Rihanna, Ne-Yo, Usher, entre outros.  Os coreógrafos convidados:

Anthony Lee (Estados Unidos)  

Um dos fundadores do remorado grupo Kinjaz, radicado em Los Angeles, Anthony Lee ganhou grande destaque na oitava temporada do programa America’s Best Dance Crew. Sua principal característica é combinar música e danças urbanas como uma forma de contar histórias. Lee também participou dos programas Dancing WithThe Stars e The LXD: The Legion of Extraordinary Dancers. Ele é um dos coreógrafos mais requisitados mundialmente e seus vídeos no YouTube têm milhões de visualizações.

 

Ian Eastwood (Estados Unidos)

Supervisor de coreografia do badalado filme Breaking Through – No Ritmo do Coração, longa-metragem inédito que conta com a participação de Anitta e Bruna Marquezine, Ian Eastwood vem ao Rio pela primeira vez. Nascido em Chicago e atualmente morando em Los Angeles, o jovem dançarino de 23 anos é conhecido por seu estilo contagiante. Começou a dançar aos dez anos e aos 13 já era um fenômeno no YouTube. De lá para cá, coreografou e estrelou videoclipes de Justin Bieber, Tori Keller, Vic Mensa e Trevor Wesley.

 

Bboy Junior (França)

Natural na República Democrática do Congo, Junior Bosila Banya, o Bboy Junior, é considerado um dos melhores dançarinos de break do mundo. Ele se destaca por ter desenvolvido sua própria técnica. Aos dois anos, Bboy contraiu poliomielite, mas isso não impediu que brilhasse no break. Fenômeno da internet, seus vídeos têm mais de 10 milhões de acessos. Em 2000, Bboy se juntou ao coletivo Wanted Posse. Com o grupo, interpretou diversas criações como Bad Moves (2002), Trance (2006) e Konnexion (2010). Participou de vários programas de TV em todo o mundo e ganhou o France's got talent (2007).

 

Dashaun Wesley (Estados Unidos)

Considerado o Rei no Vogue, Dashaun Wesley participou, em 2016, da turnê mundial de Rihanna, como um dos seus principais dançarinos. Sua coreografia The 5000 fez dele uma sensação na internet, conquistando milhões de hits no YouTube. Participou do MTV America’s Best Dance Crew e fez campanhas para a Coca-Cola. E ainda tem tempo para a militância sobre a causa do HIV, principalmente na conscientização de crianças e jovens.

 

Dylan Mayoral (Inglaterra)

Dançarino e coreógrafo londrino, o jovem Dylan Mayoral, de 19 anos, iniciou a carreira aos sete no teatro musical. Artista versátil, já fez diferentes trabalhos que vão desde dança a acrobacias em megaeventos, comerciais de TV, desfiles de moda, vídeos de música, performances teatrais e muito mais. Mayoral já se apresentou em locais de prestígio como The Royal Opera House, The Royal Festival Hall, The Royal Albert Hall, entre outros. Em 2015, formou-se na The BRIT School of Performing Art, onde recebeu formação rigorosa em balé, dança contemporânea, jazz e sapateado.

 

Flockey (Alemanha)

Nascido na Alemanha, Flockey começou a dançar em 2004 e atualmente é um dos mais bem-sucedidos em locking do mundo. Membro da Bad Newz Mp, nos últimos anos ganhou vários eventos internacionais como o U.K BBOY Championship e o World Dance Colloseum, em Tóquio, além de apresentar seu novo show Slave of the own, no Breakin Convetion, em Londres.

 

Hoan (Correia do Sul)

Atual campeão de popping do Juste Debout 2017, maior evento de batalha do mundo, o sul-coerano Hoan já ganhou mais de 50 batalhas do estilo em campeonatos na China, Coreia, França, Inglaterra, Japão e Amsterdam. Hoan também será um dos jurados do Rio H2k Battles.

 

Israel Alves (brasil)

Integrante do grupo Remiwl Street Crew, o mineiro Israel Alves conquistou o primeiro lugar na batalha de dancehall do Juste Debout 2017, o maior evento de batalha do mundo. Ele ainda foi um dos três brasileiros convidados para participar do espetáculo Dare to Dancehall, dirigido e criado por Laure Courtellemont Ragga JAM e Babson Baba Sy, apresentado em março passado em Paris, reunindo bailarinos da cena mundial do dancehall.

 

Steven Harper (Estados Unidos/Brasil)

Sapateador, coreógrafo, professor e produtor, Steven Harper é um dos principais incentivadores da arte do sapateado no Brasil. Residente no Rio desde 1991, Harper é uma figura requisitada nos palcos e nas salas de aulas do país e do exterior. Já trabalhou em quatro continentes e abriu caminho para o sapateado em grandes eventos como o Festival de Jazz de Montreux (2000), Back 2 Black (2009), desfile Carnaval no Rio de Janeiro (2011), Rock in Rio (2011 a 2015, no palco Rock Street) e o Rio H2K. É coreógrafo da comissão de frente da escola de samba Mangueira e é um dos organizadores, com Adriana Salomão, do festival Tap in Rio.

 

Mecnun Giasar (Alemanha)

Ele já se apresentou e deu aulas em quase todos os países da Europa e da Ásia e, recentemente, começou a viajar o mundo. Seu estilo diferente e versátil o levou a renomados estúdios de dança pelo mundo. Além de ensinar, Mecnun Giasar tornou-se um dos principais juízes no World of Dance Tour em toda a Europa e também o juiz no Hip Hop Internacional em países como Israel, Espanha, Itália, Alemanha e Peru. 

 

Mateus dos Anjos (Brasil)

Nascido em Brasília, Mateus dos Anjos é professor, coreógrafo e dançarino reconhecido internacionalmente. Atualmente reside em São Paulo, onde desenvolve suas pesquisas em dancehall e atua como professor no Westside Full Dance Studio. Também tem formação em balé, dança de salão e várias danças brasileiras. Já ministrou workshops em outros países como Bélgica, Portugal e Argentina. Foi campeão na batalha com dançarinos de dancehall no evento Level Up, em 2015, no Chile. Recentemente dançou no Dare to Dancehall, o primeiro show do estilo no Festival La Villete.

 

Jaja Wankova (República Tcheca)

Dançarina do grupo I.aM.mE Crew, campeão da sexta temporada do MTV's Americas Best Dance Crew, Jaja Wankova também participou do Paramount's League of Extraordinary Dancers, mais conhecido como The LXD, e do filme Step Up 5 interpretando a Robot Girl. Wankova venceu diversas competições de dança urbana e batalhas, além de ter participado de campanhas para marcas como Nike, Puma, Vlado, Scoodie e Aqua. Ela também coreografou e estrelou vídeos para artistas como Skrillex, Nick Cannon e Far East Movement.

 

Jason Nious (Estados Unidos)

Formado em bacharel em teatro na Universidade do Novo México. A paixão pelo stepping permitiu que Jason Nious introduzisse o estilo para centenas de milhares de pessoas pelo mundo. Como dançarino e coreógrafo, trabalhou com STOMP, Step Afrika!, Stomp, Cirque du Soleil, entre outros. Como embaixador cultural nos Estados Unidos, trabalhou promovendo eventos na Tanzânia, Moçambique, Zimbábue, Madagascar, África do Sul e Brasil. Jason é o fundador e diretor do MOLODI, experimento de percussão corporal.

 

Kinho (Brasil)

Artista e dançarino, Kinho fez parte da primeira geração de dançarinos do estilo Passinho. Participou das primeiras batalhas oficiais da modalidade, promovidas pelo Sesc e pela Coca-Cola, Kinho foi tema de reportagens em diversos programas de televisão. Fez parte do elenco da abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e é um dos personagens do filme Batalha do Passinho. Atualmente sustenta o título de campeão do Festival RioH2K e dá aulas na Cidade de Deus, onde mora.

 

Aline e Charles (Estados Unidos e Brasil)

A dupla se conheceu na cidade de Nova York. Quando perceberam que ambos eram brasileiros e dançarinos, decidiram unir suas técnicas em parceria. Charles contribuiu com as danças urbanas e Aline, com as de salão. No exterior, ministraram aulas no Boston Brazil Dance Festival, LA Zouk Congress, Fujairah Latin Festival (Emirados Árabes), Brazuka Dance Festival (Moscou) e I'm Zouk (Miami), onde foram surpreendidos quando o vídeo da performance da dupla obteve mais de 50 milhões de visualizações no Facebook. Produziram três de seus diversos vídeos artísticos, sendo que It won't Stop (2014) foi compartilhado no Instagram por Justin Bieber.  

 

 

Guida de Souza (Brasil)

Como professor, coreógrafo e bailarino, Guiga de Souza passou pela Bélgica, México, República Tcheca, Argentina, Brasil e Estados Unidos, onde fez parte da crew oficial de dançarinos do palco Street Dance, no Rock in Rio Las Vegas, junto a grandes nomes das danças urbanas no mundo, como Bryan Tanakna, e tendo como coreógrafos Shaun Evaristo, Jillian Meyers, Tony Tzar e Filipi Ursão. Atualmente, atua como o diretor idealizador do Epifania Dance Project, que visa à formação de dançarinos profissionais, e integra o Brainstorm Dance Company, grupo com premiações nacionais e internacionais.

 

Dilo Paulo e Lenna Santos (Angola)

Bailarino da Cia de dança Deborah Colker, o angolano Dilo já fez participações em programas da TV Globo (Esquenta e Encontro com Fátima Bernardes) e ganhou prêmios como melhor grupo de hip hop da capital de Angola (2011) e no concurso Bounce Angola.

Lena, também angolana, passou pela Escola Estadual de Danças Maria Olenewa. Formou-se no Conservatório Brasileiro de Dança e entrou na Cia Brasileira de Ballet, onde permaneceu por oito anos. Em 2016, trabalhou como bailarina profissional na abertura dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Juntos, fundaram o projeto Intercâmbio de Dança Angola e Brasil.

 

Fernanda Fiuza (Brasil)

Iniciou seus estudos na Claude Debussy Instituto de Música e Dança. Foi finalista programa Se ela Dança eu Danço (SBT), participou da abertura dos shows da Beyoncé no Brasil, dançou com a cantora Wanessa Camargo e com Kanye West em sua turnê no país. Integrou o elenco do musical londrino Thriller Live Brasil Tour e Dance Captain, coreografado e dirigido por Gary Loyd. Trabalhou como dançarina e coreógrafa ao lado de Bryan Tanaka no último DVD da cantora Wanessa Camargo. Coreografou vídeo clipes para Wanessa, NX Zero e Thiago Abravanel.

 

Netto Soares (Brasil)

É coreógrafo e integrante do balé de artistas como Wanessa Camargo, Nikki (finalista do The Voice) Alinne Rosa (X Factor), Lorena Simpson e Tiago Abravanel. Coreógrafo e preparador artístico do programa Esse Artista Sou Eu (SBT) e Programa do Gugu (Rede Record). Atualmente, Netto Soares mantém seus estudos dentro e fora do país nas melhores instituições de ensino artístico do mundo, como a Broadway Dance Center e Peridance, em Nova York, além de atuar como dançarino profissional, performer, coreógrafo, Netto ministra aulas, cursos e workshops.

 

Josh Antonio (Brasil)

Filho do bailarino Jefferson Antonio, foi integrante do Projeto Social do Centro de Movimento Deborah Colker, com o qual se apresentou na 14ª Biennale de La Danse de Lyon, e já fez parte do Grupo de Rua de Niterói – GRN, do diretor Bruno Beltrão.  Josh Antonio foi premiado em batalhas de dança de rua nas categorias house dance e hip hop dance e foi professor e coreógrafo do grupo Dream Team do Passinho. Dançou na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Hoje é professor em dois projetos de Danças Urbanas do Rio de Janeiro: From The Block e SPOT, além de fazer parte dos coletivos Bonde do Jack (diretor e coreógrafo), Under Crew, 904 Krump Movement e Xstyle Dance Company.

 

Pâmela Carvalho (Brasil)

Pâmela Carvalho tem licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e desenvolve pesquisa sobre o jongo, remetendo à abolição da escravidão e à contemporaneidade. Ela é técnica em Turismo e estudou e desenvolveu pesquisas em teatro. Trabalha como educadora no Museu de Arte do Rio (MAR) e como dançarina popular. Integra atualmente três grupos de dança e cultura popular: Tambor de Cumba, Tambores de Olokun e Companhia Mariocas.

 

 

Jefferson Antônio (Brasil)

Coreógrafo e bailarino, Jefferson Antônio teve sua base na dança de rua e nos bailes black cariocas. Fez parte da Cia de Dança Deborah Colker, entre 1994 e 2005, pela qual voltou a se apresentar eventualmente, como bailarino convidado, entre 2006 e 2010. Integrou a Intrépida Trupe e comissões de frente e alegorias de escolas de samba do Carnaval carioca e do Festival de Parintins. Participou de diversos videoclipes e trabalhos em televisão e cinema. Foi professor convidado na terceira edição do Rio H2K (2013) e é professor e diretor responsável pelo Projeto Social Rio H2K, no Viaduto de Madureira. Jeff é diretor, intérprete e criador do grupo de dança CiaD Fora, com o qual recebeu o Prêmio Funarte Artes na Rua 2011, para a criação do espetáculo Os Transtornos Passam, a Dança Fica.

 

Kauan Gracie (Brasil)

Dançarina profissional em diversas disciplinas, como balé clássico, contemporâneo, moderno, jazz, entre outros, Kauan Gracie também é faixa azul na arte marcial Jiu-Jítsu. No Rio H2K, Kauan dará aula de Flexionamento ou Flexibilidade que, como o nome indica, é uma aula que ajuda o dançarino a se esticar para criar mais mobilidade por meio do relaxamento.

SHOWCASE

No dia 16 de junho, grupos nacionais e internacionais amadores selecionados pelo festival se apresentam dentro do Showcase, na Cidade da Artes. Com o intuito de incentivar e fomentar a profissionalização de grupos de street dance do Brasil, pela primeira vez, o evento oferece um prêmio no valor de R$ 15 mil, para ser investido na montagem de um espetáculo que será apresentado no Rio H2K 2018. Os grupos escolhidos serão divulgados no dia 17 de maio, no site do festival.

RIO H2K BATTLES

No dia 18 de junho, o clima promete ser de competição no encerramento oficial do Rio H2K, na Grande Sala, na Cidade das Artes. O público acompanha a grande final dos duelos do Rio H2K Battles. De cerca de 300 inscritos, 24 são selecionados para participar, sendo quatro de cada categoria: hip-hop, popping, locking, house, breaking e passinho. A TV Brasil transmite a final, ao vivo, diretamente do teatro. Os vencedores de cada categoria levam uma premiação em dinheiro (entre R$ 500 e R$ 1.500) e o título de melhor dançarino do seu estilo.

PATROCINADORES E APOIADORES

O Ministério da Cultura, a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e a Secretaria Municipal de Cultura apresentam a sétima edição do RioH2K. Com patrocínio master da Smart Fit e da Technip, o evento conta com patrocínio das empresas Libra Terminais, Multiterminais e Rede Globo, com copatrocínio da Estácio, GL Events, Affero e Delphos. O Grand Mercure Rio Centro Hotel é responsável pela hospedagem oficial dos convidados. O festival tem apoio institucional do Consulado da França, Goethe Institut e Centro de Movimento Deborah Colker. O RioH2K é uma realização da Araucária.

 

A programação diária e os valores dos ingressos estarão disponíveis no site do festival – www.rioh2k.com.br – a partir do dia 15 de maio.