PROGRAMAÇÃO UNIBES CULTURAL

blog-image
Compartilhe

Na semana de 14 a 20 de abril, a Unibes Cultural preparou uma programação cultural nova com a maioria dos eventos gratuitos.

Destacamos a estreia do espetáculo teatral Visões, concebido para deficientes visuais, mas para todos. Além do teatro, temos a estreia da série O Mundo ao Vivo com Zeca Camargo e o debate “A revolução será hashtagueada: como a internet mudou a conversa sobre assédio no Brasil”, organizado pelo coletivo Contente dentro da série #ainternetqueagentequer, com a participação da fundadora da ONG Think Olga, Juliana de Faria, da ativista feminista negra Stephanie Ribeiro, da apresentadora Titi Muller e da jornalista Giulia Bressani, que denunciou o assédio sofrido durante uma entrevista com o MC Biel.

 

Visões

É uma peça para não ser vista, já que foi concebida para ser completamente acessível para

deficientes visuais. E as pessoas que enxergam usam vendas nos olhos para desfrutar dessa experiência que

explora os outros sentidos. É um espetáculo ao mesmo tempo popular, cômico e com uma linguagem

contemporânea, que além de contar uma história, insere o espectador em uma vivência artística e sensorial.

Como o conceito é manter uma relação individualizada em vários momentos, Visões é apresentada para

uma plateia de 30 pessoas por sessão.

Inspirada na lenda amazônica do boto, a peça traz diferentes versões para um mesmo fato: em um baile,

uma mulher foi raptada por um boto. Seria possível mesmo que um boto tivesse levado a moça? É verdade

que o boto se transforma temporariamente em homem? Ou foi um plano, era um rapaz disfarçado? Ele a

raptou de fato ou os dois estavam de comum acordo? Será que já se conheciam antes? O que realmente

aconteceu naquela noite?

Visões tem texto e direção assinados por Cristiana Gimenes, atriz, diretora teatral, contadora de histórias,

escritora, produtora e arte-educadora.

 

“A revolução será hashtagueada: como a internet mudou a conversa sobre assédio no Brasil”

Na mesa estarão a jornalista Giulia Pereira, a apresentadora Titi Muller e as ativistas Juliana de Faria e Stephanie

Ribeiro, com mediação de Daniela Arrais e Luiza Voll

Acontecimentos recentes sobre assédio – o relato da figurinista Susllem Tonani publicado no blog

#Agoraéquesãoelas, acusando o ator José Mayer de assédio sexual e que gerou a supensão do ator pela TV

Globo, a atuação de Titi Muller durante a apresentação do DJ israelense DJ Borgore na transmissão do

festival Lollapalooza ao vivo, que classificou suas músicas de "totalmente machistas, misóginas, babacas" e a

eliminação de um participante do BBB por assédio físico e moral – inspiraram a próxima palestra da série

#ainternetequeagentequer, organizada pelo coletivo Contente na Unibes Cultural.

A palestra “A revolução será hashtagueada: como a internet mudou a conversa sobre assédio no Brasil”, com

a presença da fundadora da ONG Think Olga, Juliana de Faria, da ativista feminista negra Stephanie Ribeiro,

da apresentadora Titi Muller e da jornalista Giulia Pereira – que acusou MC Biel de assédio durante uma

entrevista –, com mediação de Daniela Arrais e Luiza Voll, no dia 18 de abril, com entrada gratuita, discute

como estes fatos, e muitos outros, que vêm gerando uma mobilização das mulheres sobre o tema. A

campanha #MexeuComUmaMexeuComTodas, que inundou as redes sociais e perfis de artistas, jornalistas e

apresentadoras, inclusive colegas de emissora de Mayer, ganhou mais força. Algumas das celebridades que

manifestaram seu apoio à campanha são Sophie Charlotte, Cris Vianna, Astrid Fontenelle, Bruna

Marquezine, Tainá Muller, Drica Moraes e Fernanda Lima.

A ideia é mostrar como redes criadas na internet e fora dela conseguem engajar um número cada vez maior

de mulheres na luta contra o assédio diário sofrido pelas mulheres, incentivando a denúncia e apoiando as

vítimas.

 

O Mundo ao Vivo com Zeca Camargo

Se tem um coisa que o apresentador e jornalista Zeca Camargo gosta de fazer, além das suas viagens, é

dividir suas histórias inusitadas sobre cada uma delas. Para ampliar o número de pessoas que possam

compartilhar estas experiências Zeca criou, em parceria com a Unibes Cultural, uma série de palestras

interativas batizadas “O Mundo ao Vivo com Zeca Camargo”, evento multissensorial onde Zeca Camargo

terá participação da plateia e vai explorar a percepção de cada país através dos cinco sentidos. Uma

experiência que levará o público a diferentes lugares do mundo e trará o mundo para dentro da Unibes

Cultural.

A primeira palestra que dá origem à série, em 17 de abril, com entrada gratuita, “Sinta Índia” traz o país

para o auditório da Unibes, aguçando os paladares dos participantes com suas comidas típicas,

exercitando o tato com tecidos típicos do país, o olfato com as especiarias e ainda visão e audição através

de imagens e sons. A cada mês um novo país será “visitado” e explorado como tema.

“O impulso de viajar é o de conhecer o diferente. Desde pequeno, brinco que sempre fui ‘empurrado’ para

fora de casa pelos meus próprios pais, numa tentativa (hoje clara pra mim) de me dar outro tipo de

educação. E isso fez nascer em mim uma curiosidade infinita pelo que existe do outro lado da fronteira.

Esse exercício geográfico acabou vazando por todas as áreas do meu interesse: livros, filmes, músicas,

culinárias – o que me interessa em cada uma delas é ver se existe mistura, interferência, ou mesmo,

pegando emprestado a ideia do antropólogo Anthony Kwame Appaya, contaminação. Porque somos feitos

disso enquanto seres humanos – dessas mescla. É ela que nos transforma. E descobrir o diferente se traduz

pra mim sempre num convite para ser seduzido pelo mundo, pelas suas cores , sabores, possibilidades. E

quem faz deste planeta um lugar tão interessante somos nós mesmos. Eu sempre insisto que não viajo pra

ver monumentos – viajo pra ver gente! E é isso que quero usar para inspiração nos nossos encontros. A

frase não é minha, mas serve como um resumo de tudo isso: ‘se fosse para ficarmos no mesmo lugar a

vida toda, teríamos raízes e não pés’”, diz Zeca Camargo.

 

Sobre a Unibes Cultural

A Unibes Cultural é um centro cultural para todos os estilos e idades, que oferece programação diversificada,

na maioria gratuita, a toda a população. Foi criada pela Unibes, instituição centenária de assistência social,

como mais uma forma de promoção humana, por meio da cultura e do conhecimento. Com acesso fácil pelo

Metrô Sumaré e por outros meios de transporte, realiza no prédio da Rua Oscar Freire, 2.500 exposições,

cursos, shows, encontros, palestras, workshops, feiras e outros eventos, sobre temas como longevidade,

empreendedorismo, arquitetura, urbanismo, economia criativa, moda, design, atualidades, tecnologia,

universo digital, espetáculos infantis, gastronomia, sustentabilidade, música, turismo, literatura, artes visuais

e filosofia. Oferece também lounge com apresentações musicais aos finais de tarde, wifi livre, espaço co-

working e cafeteria.

www.unibescultural.org.br