Prix de Lausanne divulga selecionados

blog-image
Compartilhe

Prix de Lausanne 2020

Apesar de entramos na época dos espetáculos de final de ano, não podemos deixar de pensar nas competições em 2020, a primeira será em Fevereiro de 2020 – Prix de Lausanne, onde já foram divulgados os nomes dos 84 jovens talentos candidatos a competir, destes 05 são do Brasil. Os seis principais países que o Prix de Lausanne receberam mais candidatos inscritos foram: Japão, Austrália, Estados Unidos, Korea do Sul, Brasil e Canadá.

Destes seis países que mais enviam inscrições, realizamos comparativo entre numero de candidatos X selecionados aprovados: Japão dos 78 candidatos apenas 13 foram selecionados, Austrália dos 78 candidatos apenas 12 foram selecionados, Estados Unidos dos 60 candidatos apenas 09 foram selecionados, Korea do Sul dos 28 candidatos apenas 08 foram selecionados, Brasil dos 19 candidatos apenas 05 foram selecionados e do Canadá dos 12 candidatos apenas 01 selecionado. A maioria foram escolhidos através de vídeo (no Brasil ocorreu também seletiva presencial), escolhidos por um júri de 09 profissionais do mundo da dança, ao total foram 377 candidatos (301 candidatas e 76 candidatos) de 44 países, sendo ao final selecionados 84 candidatos de 26 países, sendo 76 por vídeo e 08 pré-selecionados por seletiva presencial.

Saiba os nomes dos candidatos do Brasil que estarão no Prix de Lausanne – Rui Cesar Cruz, Gabriel Barbosa, Ana Luisa Negrão, Raquel Quintão, Vitor Augusto Vaz.

A curiosidade dos números fica para alguns países onde o ballet é tradicional, a Russia com apenas 01 candidato e, este nem sequer foi selecionado, sendo 0% de aproveitamento,  a França enviou 11 candidatos e apenas 01 foi selecionado, menos de 01% de aproveitamento. Pensando em números,  países sem tradição em ballet como Singapura, enviou apenas 01 candidato sendo este aprovado ou, seja países sem tradição tiveram 100% de aproveitamento de candidatos. A explicação para estes números pode ser que a importância de competições de alto para países onde o ballet é tradição é quase nula, porque possuem maior numero de escolas formativas de alto nível e mercado de trabalho bem estruturado, exemplo que deveria ser seguido no Brasil, trabalhar profissionalmente para fortalecer o mercado de trabalhado e, em paralelo cobrar fortemente das autoridades publicas a formação de novas companhias e fiscalização dos estabelecimentos do ensino da arte da dança, ao invés de pensar que a saída é o aeroporto mais próximo.

A 48ª edição do Prix de Lausanne será realizada de 02 á 09 de fevereiro, mais informações www.prixdelausanne.org

Ajude-nos a manter o trabalho da Dança Brasil

Nosso jornalismo acompanha e divulga a arte da dança.

Está a serviço da arte da dança e da diversidade de opinião.

Há 27 anos Dança Brasil exercita o jornalismo transparente, fiel à verdade factual, atenta a diversidade cultural na area da dança.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores.

Faça parte da Dança Brasil assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica.

A arte da dança agradece.

Clique no link abaixo e faça sua assinatura anual apenas R$ 55,00

https://www.paypal.com/webapps/hermes?token=32F02702HK5524050&useraction=commit&mfid=1553687958902_64c5971e79a3b