O REAL RESISTE - AURORAS

blog-image
Compartilhe

O REAL RESISTE - AURORAS

Cinquenta bailarinos cariocas das mais diferentes áreas da cidade ocupam praças do Rio em projeto de arte urbana.

Divididos em cinco grupos de dança, eles apresentam coreografias que convidam o público a refletir sobre o confinamento do corpo.

Apresentações acontecem nos dias 6, 7, 8, 11 e 14 de novembro, ao amanhecer, em cinco áreas da cidade: Rocinha, Méier, Brás de Pina, Cinelândia e Praça Mauá.

Premiados coreógrafos do Rio de Janeiro reúnem 50 bailarinos com os rostos semicobertos por máscaras para refletir sobre o momento de confinamento do corpo nas mais diferentes áreas e realidades da cidade. As apresentações acontecem em espaços públicos da Rocinha, Méier, Brás de Pina, Cinelândia e Praça Mauá, nos dias 6, 7, 8, 11 e 14 de novembro, a partir das 7h. Ao todo, serão cinco coreografias diferentes, elaboradas com base na mesma música, também original, criada para o eventoTrata-se de “Auroras”, segunda fase da intervenção urbana “O Real Resiste”, que nasceu como um ato de reafirmação da arte em um momento de desmonte e perseguição à cultura, unindo artistas como Ana Calzavara, Arnaldo Antunes, Carlos VergaraJosiane Santana (Favelagrafia) e Walter Carvalho.

Em “Auroras”, o time de coreógrafos é composto por Adélia Costa, Ana Lúcia Silva e Mikael David, Esther Weitzman, Fagner Santos e Jefferson Bilisco, com curadoria de Esther Weitzman. Divididos em cinco grupos, os bailarinos dançarão ao amanhecer, em dias diferentes. As apresentações serão filmadas e se transformarão depois em um trabalho de videoarte. “Num gesto refletido, vamos ocupar poeticamente o Rio, uma cidade estilhaçada, abatida e enferma. Dessa vez, pela dança. É uma ação urbana que abarca os conflitos, a diversidade e reafirma a vocação cultural do Rio de Janeiro”, explica Maneco Müller, sócio da Mul.ti.plo Espaço Arte, um dos três idealizadores da ação.

As apresentações dos bailarinos falam das marcas e atravessamentos que as emoções vivenciadas durante o confinamento deixaram em seus corpos e na relação deles com o espaço público. “A música e a dança sempre foram instrumentos de resistência. Nesse período de repressão da vitalidade popular, queremos dar espaço para que esses corpos criem e se manifestem livremente”, diz a arquiteta e urbanista Manuella Müller, outra idealizadora do projeto. “Em épocas de autoritarismo, o corpo é o primeiro a ser tolhido e censurado. Por meio da dança, vamos levar de volta esse corpo para a rua, numa necessidade de se expressar, se comunicar e reagir”, diz a bailarina Carolyna Aguiar, que também responde pela idealização dessa segunda fase do projeto.

 

REAL RESISTE – FASE 1

O Real Resiste é um projeto de ação urbana carioca criado por Maneco Müller (sócio da Mul.ti.plo Espaço de Arte) e Manuella Müller (arquiteta e urbanista), em parceria com artistas de diversas áreas. O movimento foi iniciado em 29 de agosto de 2020, quando um grupo heterogêneo de 30 artistas, com representantes de distintas gerações, idades, estilos e poéticas, renomados ou não (Arnaldo Antunes, Cabelo, Carlos Vergara, Carolina Kasting, Elana Paulino, Joyce Marques, Walter Carvalho, Marcos Chaves, Raul Mourão, entre outros), das mais diferentes áreas da cidade, ocuparam os muros do Rio com grandes cartazes de 2 X 3 metros. A iniciativa é um ato de reafirmação da arte e da vida em um momento demolição da cultura, de afirmação dos negacionismos, do poder punitivo e sua escalada sem fim, da mediocridade, do preconceito e de incapacidade de gestão da pandemia.

 

Quando e Onde

O Real Resiste - Auroras
Dança
Horário: 7h

6 de novembro - Grupo da Adélia Costa
Bailarinos: Canela Monteiro, Matheus Miranda, Márcio Foox, Júlia Rodrigues, Júnior Paixão
Local: Praça Anhangá - Brás de pina

7 de novembro - Grupo da Esther Weitzman
Bailarinos: Carolyna Aguiar, Edney d'Conti, Fagner Santos, Joana Abreu, Juliana Angelo, Manuela Weitzman, Marcelo Lopes, Marília Albornoz, Milena Codeço, Rodrigo Gondim
Local: Cinelândia

8 de novembro - Grupo do Jefferson Bilisco
Bailarinos: Andressa Araújo, Anna Calado, Cássia Buanna, Dandara Patroclo, Dandara Ventapane, Débora Polistchuck, Geovane Laranjinha, Glauce Canudo, Iara Cassano, Jonathan Camarim, Juliana Lopes, Luiz Lá, Marcus Azevedo, Pablo Guerreiro, Pamela Fernandes, Rafaela Nasser, Raphael Meira, Raphael Rodrigues, Raquel Polistchuck, Tathiana Braz e Yasmin Moura
Local: Praça Mauá

11 de novembro - Grupo do Fagner Santos
Bailarinos: Elton Sacramento, Roberto Silva, Dandara Patróclo, Glauce Canuto e Raphael Rodrigues
Local: Praça Agripino Grieco - Méier

14 de novembro - Grupo da Ana Lúcia Silva e Mikael David
Bailarinos: Yara Silva, Mayara Arruda, Gleyce Lima, Bruno Navarro, Kaylane Olegário, Robert Santos, Lara Alves, Guilherme Andrade e Gabriela Gonçalves
Local: Passarela da Rocinha - São Conrado (em frente ao Complexo Esportivo da Rocinha, próximo à Via Ápia)

 

Desde que você está aqui ...

Pedimos a leitores como você que contribuam para apoiar nosso jornalismo aberto e independente. Nesses momentos extraordinários, quando abundam a ansiedade e a incerteza, as matérias do Dança Brasil nunca foram tão vitais. No decorrer de 2020, permaneceremos com você, oferecendo jornalismo de qualidade, para que todos possamos tomar decisões críticas sobre o mundo da dança com base no fato, não na ficção.

Acreditamos que cada um de nós merece acesso igual a notícias precisas e explicações calmas. Portanto, ao contrário de muitos outros, fizemos uma escolha diferente: manter o jornalismo do Dança Brasil aberto a todos, independentemente de onde morem ou do que possam pagar. Isso não seria possível sem a generosidade dos leitores, que agora apóiam nosso trabalho em todo o país.

Mantivemos nossa independência editorial em face da desintegração da mídia tradicional e esmagadas pela propriedade comercial. A independência do Dança Brasil significa que podemos definir nossa própria agenda e expressar nossas próprias opiniões. Nosso jornalismo é livre nunca influenciado por preconceitos comerciais e políticos.

Seu apoio financeiro significa que podemos continuar informando, investigando e interrogando. Ele protegeu nossa independência, que nunca foi tão crítica. Somos muito gratos.

Precisamos do seu apoio para que possamos continuar a oferecer um jornalismo de qualidade aberto e independente. E isso está aqui há mais de 27 anos. Toda contribuição de leitor, por maior ou menor que seja, é muito valiosa. Apoie o Dança Brasil leva apenas um minuto.

Clique no link abaixo e faça sua assinatura anual por apenas R$ 55,00.
https://checkout.yapay.com.br/transacao/t7ad201b02198eb1521da9bacbcfd6980