Núcleo Viladança celebra 23 anos

Compartilhe

Núcleo Viladança celebra 23 anos com programação virtual intensa

Criado pela coreógrafa e diretora Cristina Castro, o núcleo de criação em Dança do histórico Teatro Vila Velha é referência nacional e internacional

Com o apoio da Chamada Pública nº 01/2020 - Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas da Fundação Gregório de Mattos - Premiação Aldir Blanc, o Núcleo Viladança, através do projeto “Viladança Virtual”, realiza uma programação intensa com exibição on-line dos espetáculos do seu repertório, realização de oficina remota, LIVES, convocatória e premiação de quatro criações inéditas, com destaque para o lançamento de um ambiente virtual que irá organizar e disponibilizar, gratuitamente, toda essa memória e acervo, através da catalogação, digitalização e recuperação de arquivos, vídeos dos espetáculos, textos, fotos, clipagens, material gráfico, registros de turnês no Brasil e no exterior, co-produções internacionais, editais e premiações. O Núcleo é reconhecido com diversas premiações importantes, como o Prêmio Unesco de Fomento das Artes e o Prêmio Mambembe de Revelação Nacional (FUNARTE). A programação completa pode ser acompanhada nas redes sociais do Núcleo Viladança (facebook e instagram) e no site http://nucleoviladanca.com.br

Criado pela coreógrafa e diretora Cristina Castro, a convite do diretor Márcio Meirelles, em 1998, o Núcleo Viladança é o primeiro núcleo de criação em Dança do Teatro Vila Velha. Uma referência para as Artes Cênicas, na Bahia e no Brasil. Nessas mais de duas décadas, a coreógrafa dinamizou a cena de dança no teatro com a criação da Cia. Viladança, referência em inovação, criatividade e qualidade técnica. E para ela criou 12 espetáculos, que circularam em teatros e ruas do Brasil, Europa e América Latina, em mais de 700 apresentações. Um dos momentos especiais dessa trajetória foi a criação da trilha sonora do espetáculo “Aroeira” pelo cantor e compositor Milton Nascimento, em 2006.

Para muito além de uma companhia, o Núcleo Viladança vem ocupando os palcos e salas do Teatro Vila Velha com atividades de formação, intercâmbio e experimentação, transformando-o em um espaço dinâmico, vivo e aberto ao conhecimento e troca entre linguagens artísticas, aproximando-o de novas plateias e de diversos estilos de dança. A convivência com artistas de teatro, música e artes plásticas do Vila Velha provocaram experiências únicas e resultados criativos que atraíram milhares de espectadores. Para o Núcleo Viladança, Cristina Castro também é responsável pela criação de um amplo programa de formação artística para crianças com espetáculo e oficinas fundamentais para os primeiros passos no universo artístico. Parceiro de um dos projetos mais importantes para a cena da dança no Brasil, o Vivadança Festival Internacional. O Núcleo avança em provocações e proposições inovadoras para o exercício da criação em dança.

O Núcleo Viladança escreve capítulos importantes da História da Dança da Bahia e do Brasil, participando de projetos como o “Palco Giratório” (SESC), o Festival Brasil Move Berlim (Alemanha), o Festival Crear em Libertad (Paraguai),o Festival Danza en La Ciudad (Equador), entre muitos outros. A convite da diretora e coreógrafa, artistas baianos de diversas linguagens foram fundamentais nessa trajetória e nos processos criativos, na conexão com a arte contemporânea e a transversalidade das linguagens artísticas.

Por essa razão, algumas lives temáticas serão realizadas através do instagram do Núcleo Viladança @nucleoviladanca , com a mediação de Cristina Castro e a participação desses artistas:

- MÚSICA PARA A DANÇA – com Jarbas Bittencourt, João Meirelles e um intérprete criador - dia 17 de março, as 20h;

- VÍDEO, FOTO e DRAMATURGIA PARA A DANÇA - Amaranta Cesar (UFRB), Marcio Lima, Sergio Rivero e um intérprete criador - dia 24 de março, às 20h;

- CENÁRIO E FIGURINO PARA A DANÇA – com Márcio Meirelles, Moacyr Gramacho, Luiz Santana e um intérprete criador - dia 31 de março, às 20h.

A coreógrafa e diretora do Núcleo Viladança, Cristina Castro, percebe no trabalho conjunto com esses artistas, com a Cia. Viladança, com os grupos residentes e com a própria dinâmica espacial do Teatro Vila Velha a configuração de um processo vivo de “contaminação” da sua própria identidade estética. “Quando recebi o convite da direção do teatro apostando na minha pesquisa como criadora e na minha possibilidade de criação de uma área específica de dança dentro dessa usina cultural que é o Vila Velha, percebi naquele exato momento o passo histórico que estaríamos dando. Hoje o Viladança é referência para a memória da dança na Bahia e espaço fundamental para um futuro que se cria a cada projeto implementado", reconhece a diretora.

O projeto Viladança Virtual também contempla uma chamada pública VILADANÇA CONVIDA para seleção de quatro criações coreográficas feitas para vídeo, de no máximo 30 minutos, que serão exibidas no mês de abril, gratuitamente, no youtube, no Palco Virtual do Teatro Vila Velha. A inscrição dos projetos será via internet e a seleção será feita por uma comissão convidada. As propostas devem ser enviadas exclusivamente pela internet, através do preenchimento do formulário indicado nas redes sociais oficiais do Núcleo Viladança (facebook e instagram). Com cachês de 2.800,00 para cada obra selecionada.

A oficina on-line gratuita “Poética Ativa”, com a bailarina e coreógrafa Patrícia Machado (PR), propõe abordar processos de criação em dança, tendo o corpo como discurso expressivo e lugar de pulsão criativa. A oficina é voltada para a classe artística, criadores, coreógrafos, profissionais da dança e pessoas interessadas em processos criativos. Os participantes serão convidados a reconhecer e intensificar desejos e sustentar padrões musculares de forma ativa na busca de um refinamento poético, sensibilizando e potencializando as diversas camadas do movimentos, através de suportes imagéticos, sensoriais e biográficos. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do formulário disponível nas redes sociais oficiais do Núcleo Viladança.

E na data em que o Núcleo Viladança faz aniversário, dia 13 de abril, será lançado o ambiente virtual com todo o acervo, em formato digital. Com destaque para todos os registros audiovisuais dos 12 espetáculos da Cia. Viladança.

Projeto contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundo da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA VILADANÇA VIRTUAL

LIVES - instagram @nucleoviladança :

- MÚSICA PARA A DANÇA – com Jarbas Bittencourt, João Meirelles e um intérprete criador - dia 17 de março, as 20h;

- VÍDEO, FOTO e DRAMATURGIA PARA A DANÇA - Amaranta Cesar (UFRB), Marcio Lima, Sérgio Rivero e um intérprete criador - dia 24 de março, às 20h;

- CENÁRIO E FIGURINO PARA A DANÇA – com Márcio Meirelles, Moacyr Gramacho, Luiz Santana e um intérprete criador - dia 31 de março, às 20h.

VILADANÇA CONVIDA - Chamada Pública de Criações em Dança feitas para vídeo. -
Inscrições de 08 de fevereiro a 12 de março, As propostas devem ser enviadas exclusivamente pela internet, através do preenchimento do formulário indicado nas redes sociais oficiais do Núcleo Viladança (facebook e instagram) e serão exibidas em abril no Palco Virtual do Teatro Vila Velha, no youtube. Cachês de 2.800,00 para cada obra selecionada.

Oficina com Patrícia Machado (PR)

Dias 15 e 16 de março, às 10h, através da plataforma Zoom do Teatro Vila Velha.

Inscrições até o dia 09 de março através de formulário disponível nas redes sociais oficiais do Núcleo Viladança (facebook e instagram).

Exibição do Repertório de Espetáculos do Núcleo Viladança
De 18 de março a 04 de abril (quinta a domingo), a cada dia será exibido um espetáculo no canal do Youtube do Núcleo Viladança - www.youtube.com/nucleoviladança

Sempre às 19h

CRISTINA CASTRO - Concepção e direção do Criações em Dança. Gestora cultural e coreógrafa. Diretora e curadora artística do Vivadança Festival Internacional e do Núcleo Viladança. Membro do conselho e coordenadora da área de planejamento, projetos e sustentabilidade do Teatro Vila Velha. Premiada pela Unesco com o Prize for the Promotion of the Arts e diplomada pela Universidade Federal da Bahia no curso de licenciatura em dança. Fundou em 1998 a Cia Viladança circulando seus espetáculos de dança contemporânea e oficinas no Brasil, Europa e América do Sul. Convidada pela Funcación Carolina e Embaixada da Espanha participou do Primer Programa Sociedad Civil de Brasil na espanha, pela Bolsa Vitae, participou como convidada do International Arts Management e International Choreography Residency nos EUA e pelo Goethe Institut e Embaixada da Alemanha, de intercâmbios em Frankfurt, Munique, Berlin, Dresden, Hamburgo, Essen, Stuttgart e Düsseldorf. Através dos seus projetos vem criando e mantendo parcerias internacionais para residências, intercâmbios e programação de espetáculos com diversos países, como a Alemanha, Espanha, França, Polônia, Israel, Canadá, México, Costa Rica, Peru, Colômbia, Paraguay e El Salvador.

 

NÚCLEO VILADANÇA

Criado em 13 de abril de 1998 pela coreógrafa Cristina Castro o Viladança é o primeiro grupo de dança residente do Teatro Vila Velha e foi gestado por um projeto anterior, também coordenado por Cristina Castro em colaboração com as dançarinas Rita Brandi e Selma França: o Bailavila.

Tendo como proposta a comunhão entre diversas linguagens artísticas e a verificação da dinâmica cultural em uma perspectiva contemporânea, o Viladança mostra a seriedade de sua proposta ao promover – sem apelos fáceis – o diálogo entre a cultura local e a universal, através da dança contemporânea.

Já no seu primeiro espetáculo, Sagração da Vida Toda, em 1998, a companhia bateu recorde de apresentações em Salvador e recebeu da FUNARTE – Fundação Nacional das Artes o Prêmio Mambembe de Revelação Nacional, num reconhecimento do público e da crítica especializada.

A partir daí, foi laureada em diversos editais de incentivo a dança e mais recentemente conquistou o reconhecimento da UNESCO através do Premio Unesco de Fomento das Artes, pela sua criatividade e desempenho técnico.

Com a criação e as atividades do Viladança, Cristina Castro mostra que é possível uma renovação estética, a partir de um olhar atento para as tradições culturais locais e da descoberta de sua contemporaneidade.

Já no seu quinto ano de existência, o Viladança iniciou a sua carreira internacional apresentando-se no Festival Brasil Move Berlim. No mesmo ano, através de intercâmbio cultural entre o Goethe Institut, Teatro Vila Velha e Teatro Burghof Lörrach, produziu e realizou temporadas de apresentações do espetáculo Caçadores de Cabeças (Headhunters), uma parceria inédita entre as diretoras Cristina Castro e Helena Waldmann.

A cada nova produção, o Viladança mostra a sua capacidade de recriar a própria linguagem, sem se acomodar a fórmulas que deram certo em seu repertório ou no vocabulário coreográfico. A pesquisa de movimentos e o processo criativo do grupo são desenvolvidos através do desafio de novas técnicas, sedimentadas em conexão direta com a arte contemporânea e a transversalidade das linguagens artísticas.

Seus dançarinos se reciclam em técnicas diversas que vão do balé clássico à capoeira, danças regionais, canto, atletismo, teatro, perna-de-pau, percussão, rapel. E participam ativamente no processo criativo de sua diretora/coreógrafa, num diálogo continuo.

Em 2004, a companhia estreou o musical infanto-juvenil Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, abrindo um Programa de Formação de Platéia para as Artes Cênicas totalmente voltado para crianças e adolescentes.

Aos poucos, tornou-se claro que a diluição de fronteiras escapa ao âmbito dos espetáculos e deve orientar também projetos de interação com diversas comunidades. Assim, surgiram projetos como o Improvilação, o EIC e o Mês da Dança no Vila, além de intercâmbios, oficinas e formação de plateia: ações que visam a levar a dança a estudantes das redes pública e privada de ensino e a camadas da população que normalmente não têm acesso ao teatro.

À medida em que ampliou a sua gama de ação, as características e objetivos do Viladança superaram os de uma companhia e passaram a abranger não apenas a criação de espetáculos, mas uma rotina de planejamento e fomento de atividades de dança. Surgia assim o Núcleo Viladança.

 

Ajude-nos a manter o trabalho da Dança Brasil!
Nosso jornalismo acompanha e divulga a arte da dança.
Está a serviço da arte da dança e da diversidade de opinião.
Há 28 anos, a Dança Brasil exercita o jornalismo transparente, fiel à verdade factual, atenta à diversidade cultural na área da dança.
Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores.
Faça parte da Dança Brasil! Assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica.
A arte da dança agradece.
Clique no link abaixo e faça sua assinatura anual por apenas R$ 55,00.
https://mpago.la/2anBM14