Joias do Ballet Russo

blog-image
Compartilhe

Patrimônio cultural russo, o balé clássico tem sido por mais de três séculos um expoente artístico do país. Visitar imponentes teatros como o Mikhailovsky, Stanislavsky, Mariinsky e Bolshoi para ver de perto alguns dos melhores bailarinos do mundo é uma atividade quase obrigatória para quem visita a Rússia, mas, nesta sexta-feira, o público gaúcho poderá apreciar importantes solistas internacionais em Porto Alegre. Os espetáculo “Joias do Ballet Russo”, às 21h, no Teatro do Sesi (Assis Brasil, 8787) reúne os melhores bailarinos dos principais teatros do velho mundo. Os ingressos, com preços entre R$ 100 e R$ 300, estão disponíveis pelo site, nas bilheterias do Teatro Bourbon Country e Teatro Feevale (NH), Bourbon Shopping NH e Brocker Turismo (Gramado). No elenco que performa na Capital, o grande destaque é Alexander Volchkov, um dos maiores dançarinos em atividade, membro da equipe principal do Bolshoi e há 20 anos integrante da companhia mais famosa do planeta. Além dele, há outros sete solistas internacionalmente reconhecidos pela sua excelência: do Mikhailovsky, as estrelas Oxana Bondarev e Mikhail Venshchikov. Do Mariinsky, o solista Boris Zhurilov e Tatyana Tiliguzova, que já fez parte do balé Mariinsky, atualmente dança no Bayerisches Staatsballett, e será solista do Bolshoi a partir da próxima temporada. Completam o grupo os bailarinos absolutos do Stanislavsky, Natalia Ledovskaya, Pukhov Mikhail e Maksim Marinin, estrela internacional de nacionalidade francesa, especialmente convidado para essa turnê. O repertório composto por trechos das obras “Corsário” - baseado no poema de Lord Byron, com música de Adolphe Adam e coreografias de Marius Petipa, - “Quebra-Nozes” e “Lago dos Cisnes”, ambas de Tchaikovsky. A segunda, vale ressaltar, foi escrito em 1876, é o mais popular de todos os balés. Foi composto em 1876, em Paris, falando de um jovem que se apaixona por uma rainha, transformada em cisne, por um feiticeiro malvado, até ser resgatada por um homem que lhe jure amor eterno. O jovem finalmente destrói o feitiço e os dois vivem felizes. Em 1894, um ano após a morte de Tchaikovsky, a obra ganhou coreografia.