HOMENAGEM AOS 45 ANOS DA CIA PALÁCIO DAS ARTES

blog-image
Compartilhe

Para comemorar os 45 anos da Cia de Dança Palácio das Artes, a Fundação Clóvis Salgado irá marcar a data com uma placa comemorativa, que será descerrada no dia 15 de dezembro, em breve solenidade, antes da pré-estreia de Messias, espetáculo baseado no oratório de Haendel, com participação da Cia. de Dança Palácio das Artes, Coral Lírico e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e solistas convidados. A placa será instalada no corredor localizado atrás do palco do Grande Teatro do Palácio das Artes, conhecido como ‘corredor da fama’, onde estão homenagens a artistas e grupos com importante trajetória no cenário artístico local e mundial, como Grupo Corpo, Ballet Bolshoi, Comédie-Française e Royal Shakespeare Company, Maestro Carlos Eduardo Prates, entre outros. Estarão presentes à homenagem o Secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, o presidente da FCS, Augusto Nunes-Filho, a Diretora de Produção Artística da FCS, Cláudia Malta; o regente da Cia. de Dança Palácio das Artes, Cristiano Reis, além de ex-integrantes entre bailarinos, técnicos, equipe direção e coreógrafos. Uma das companhias mais importantes do país, a Cia de Dança Palácio das Artes foi o primeiro Corpo Artístico da Fundação Clóvis Salgado a ser institucionalizado. Sob direção do Carlos Leite, a Cia surgiu da fusão do Ballet de Minas Gerais e da Escola de Dança. Iniciou seus trabalhos em 1971, com um repertório clássico. Em 1985 o Grupo buscou se reinventar e se distanciou da linguagem clássica dando início, em 1999, aos trabalhos com o método bailarino-pesquisador-intérprete, que propõe a legitimação do bailarino como sujeito de sua própria dança. A partir desse momento, a Companhia passou a trabalhar com um diretor para coordenar os processos de criação de seus bailarinos e não mais com coreógrafos residentes. A Cia. de Dança possui um método singular de criação dos espetáculos, que inclui um profundo processo de pesquisa e concepção por parte dos bailarinos. Em muitos casos, o processo de pesquisa abarcou o contato direto com a comunidade, o que amplia a fruição das obras pelo público. Tem em seu repertório espetáculos premiados como Entre o Céu e as Serras; Sonho de uma Noite de Verão (fragmentos amorosos); Coreografia de Cordel e Se eu pudesse entrar na sua vida, entre outros.