Entrevistamos Alex Soares

blog-image
Compartilhe

Alex Soares 

 

Quais lembranças do início de sua carreira?

Lembro de um período de muito estudo e prazer em dançar, eu saía da escola depois do almoço e ficava na academia até a noite fazendo uma aula atras da outra. Lembro também do período de férias escolares, onde no início do ano eram os cursos de férias e no meio do ano os festivais competitivos longe de casa. 

Como você vê a vida do profissional de dança em nosso país?

Vejo com muita luta e perseverança, pois as condições são sempre as piores possíveis. Mas amamos muito o que fazemos e sempre buscamos maneiras de seguir e subverter este quadro. 

Qual sua opinião sobre os festivais competitivos de dança?

Tirando a questão de avaliação que é subjetiva, eu acho fundamental o espaço de troca nos festivais, e estar no palco é sempre um aprendizado e situação para o bailarino evoluir. O palco nos ensina muito e quanto mais estivermos nele melhor. Eu acho negativo algumas posturas exageradas com relação a competição e rivalidade, a dança já é uma arte onde os artistas não são muito unidos, e as vezes esse ambiente pode favorecer isso, mas acho que começa nas escolas, por que é lá que isso é construído com os alunos no dia a dia. 

Como professor e coreografo o que inspira em suas aulas e montagens?

Minhas montagens começam de maneiras distintas, as vezes uma música, as vezes um tema, as vezes sem saber nada e no próprio fazer algo vai tomando forma. Como professor tenho buscado passar mais do que sequências, e sim deixar ferramentas para que o artista possa levar com ele e aplicar em outras aulas, que possa levar informação e conhecimento corporal, não apenas uma sequencia que ele copia,executa e posta para ter likes. 

Qual a importância da graduação universitária em dança na formação de um profissional de dança? 

Acho que ela é específica e fundamental para algumas funções mas não obrigatória para quem quer ser um profissional de dança.

O que é a dança para você?

Dança pra mim é poder expressar o que eu não sei dizer em palavras, pois quando tento dizer em palavras parece confuso, incompleto. É mexer com outras percepções e abrir portas invisíveis. 

Saiba mais sobre Alex Soares - Atualmente estou dirigindo uma Cia pública de dança no Estado de São Paulo, que é a Cia Jovem de Dança de Jundiaí, um projeto bonito onde trabalho com bailarinos em primeiro contato profissional, para que depois possam seguir suas carreiras em companhias maiores. Além disso continuo em São Paulo minha pesquisa com o Projeto Mov_oLA, que considero meu laboratório de experimentação e aperfeiçoamento como diretor e coreógrafo. E conciliando estes dois projetos atuo também como coreógrafo convidado em Cias no Brasil e no exterior para montagens de coreografias.