Dança na Pina 2018

blog-image
Compartilhe

A Pinacoteca de São Paulo e a São Paulo Companhia de Dança (com direção de Inês Bogéa), ambas da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, apresentaram novamente nos dias 2, 3 e 4 de novembro, no Octógono da Pinacoteca, as coreografias Mira, de Milton Coatti e Mamihlapinatapai, de Jomar Mesquita, que foram adaptadas para dialogar com o espaço. As apresentações, que já aconteceram nos dias 20, 21 e 27 de outubro, acontecem sempre às 15h (entrada é gratuita) e são exibidas com figurino exclusivo assinado pela marca UMA por Raquel Davidowicz.

“Levar a dança para a Pinacoteca traz um novo movimento para este espaço, pois coloca o público em contato mais direto com os bailarinos, uma vez que o “palco" é também o espaço do plateia. Viveremos novas percepções e olhares para as duas obras escolhidas para este encontro.” (Inês Bogéa)

Durante o espetáculo Mira, dez pessoas dentre o público poderão ficar no espaço do palco com os bailarinos no momento em que dançavam, passarão a integrar este grupo, provocando novas possibilidade do olhar. Ao término desta coreografia, o público também pode vivenciar a plenitude da experiência imersiva através dos óculos VR, que estavam disponíveis no local (25 minutos com 5 grupos de até 5 pessoas).

Mamihlapinatapai, apresentada pela companhia desde 2012, completa a programação com a proposta do coreógrafo em desconstruir movimentos da dança de salão para sugerir a relação de desejo entre duas pessoas. Aqui também a obra foi adaptada para o espaço, criando novas dinâmicas nesta dança.

As apresentações fazem parte do programa Dança na Pina, criado em 2017 com intuito de trazer outras linguagens artísticas para dialogar com a arquitetura do museu. Sua estreia contou com o espetáculo Deslocamentos, da bailarina e coreógrafa Marta Soares.

Dança na Pina é um programa que parte da nossa missão de promover sempre uma nova experiência do público com a arte, estimulando a criatividade e a construção de conhecimento. A parceria com a São Paulo Companhia de Dança ativa os espaços do museu de maneira surpreendente e permite diálogos potentes com o acervo da instituição.” (Jochen Volz, diretor geral da Pinacoteca)

Experiência em realidade virtual

Uma experiência multimídia sensorial e perceptiva de artistas e espectadores, com a tecnologia VR (Realidade Virtual), que nos coloca no “centro do palco”, com uma visão 360 da obra. É também um filme que instiga o espectador a assisti-lo por diversas vezes, escolhendo diferentes pontos de vista da mesma coreografia. Mira é um convite a múltiplos olhares para a dança de hoje. Neste momento, até 25 pessoas a cada dia, poderão ter a experiência da realidade virtual assistindo ao filme MIRA, com 5 minutos de duração, com os óculos VR.

Duração total da atividade: 25 minutos

MAMIHLAPINATAPAI (2012)

Coreografia: Jomar Mesquita com colaboração de Rodrigo de Castro
Músicas: Marina de La Riva, composição de Silvio Rodrígues (Te Amaré Y Después); Rodrigo Leão (No Se Nada); e Cris Scabello (Tema final); Cartola e Grupo Planetangos (As Rosas não Falam).
Figurinos: Cláudia Schapira
Iluminação: Joyce Drummond

Duração: 20 minutos

Mamihlapinatapai trata da relação de desejo entre homem e mulher. Um olhar compartilhado por duas pessoas, cada uma desejando que a outra tome uma iniciativa para que algo aconteça, porém, nenhuma delas age. Este é significado de Mamihlapinatapai, palavra indígena originária da língua yaghan, de uma tribo da Terra do Fogo. O coreógrafo Jomar Mesquita utiliza elementos desconstruídos da dança de salão para criar a peça.

Elenco

Carolina Pegurelli, Felipe Vasques, Gabriel Fernandes, Ísis Soares/Laura Barbosa, Larissa Guerra, Luan Barcelos, Matheus Queiroz e Poliana Souza.

SÃO PAULO COMPANHIA DE DANÇA | PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO

MIRA (2018) e MAMIHLAPINATAPAI (2012)

NOVEMBRO

02 | Sexta-feira

03 | Sábado

04 | Domingo

Local: Pinacoteca do Estado de São Paulo

Endereço: Praça da Luz, 2

Horário: 15h00

Indicação Classificativa: Livre