Cia Druw no Sesc Santo André

blog-image
Compartilhe

Cia Druw ganha mostra de repertório no Sesc Santo André

Companhia de dança com mais de duas décadas de atuação apresenta espetáculos inspirados nas trajetórias de pintores como Vicent Van Gogh, Salvador Dali, Tarsila do Amaral e Henri Matisse

As apresentações acontecem aos domingos, ao meio-dia

Dias 02, 09, 16 e 23 de junho

Criada em São Paulo em 1996, pela bailarina e coreógrafa Miriam Druwe, a CIA DRUW conquistou reconhecimento da crítica e do público por suas criações coreográficas que têm como principal identidade a referência das artes visuais somada a um estilo coreográfico bem-humorado e reflexivo acerca de temas do cotidiano e questões da natureza humana. Na ‘Mostra Cia Druw de Repertório’ que o Sesc Santo André apresenta nos domingos do mês de junho participam os espetáculos ‘Vila Tarsila’ (02/06), ‘Girassois’ (09/06), ‘Poetas da Cor’ (16/06) e ‘Daqui, Dalí ou Delá’ (23/06), aos domingos ao meio-dia.

Foi no ano de 2007 com “Lúdico” (inspirado no livro ‘Do Espiritual na Arte’, do pintor Kandinsky) que CIA DRUW deu início ao inovador percurso cênico com o espetáculo de estreia voltado para o público infantojuvenil. Nos anos seguintes vieram mais criações voltadas a este público inspirados em obras de artistas visuais consagrados --

‘Vila Tarsila’ (2009), ‘Girassóis’ (2011), ‘Poetas da Cor’ (16/06) e ‘Daqui, Dalí ou De lá?’ (23/06).

‘Vila Tarsila’, que será apresentado em 02/06, transporta o espectador ao mundo antropofágico da artista Tarsila do Amaral, demonstrando que sua obra nasceu das experiências visuais das inúmeras viagens realizadas e das brincadeiras que recheavam as tardes na fazenda onde vivia em Capivari, interior de São Paulo, onde podia correr livremente entre pedras, árvores e brincar com bonecas feitas de mato, em contraponto com a educação francesa que recebeu de seus país.  Obras como Sol Poente, A lua, Manacá, A Cuca, O sapo, O touro, São Paulo, Operários, estão presentes no espetáculo.

Miriam Druwe em parceria com Cristiane Paoli Quito, remonta a trajetória criativa de Tarsila do Amaral, desde suas primeiras impressões sobre cores e formas, até as origens dos elementos que influenciaram diretamente em sua criação artística.

Ficha Técnica

Direção Geral e Artística: Miriam Druwe

Roteiro e Direção Cênica: Cristiane Paoli Quito

Concepção: Miriam Druwe e Cristiane Paoli Quito

Cenário e figurino: Marco Lima

Desenho de luz: Marisa Bentivegna

Trilha sonora: Natália Mallo

Interpretes – Alessandra Fioravanti, Adriana Guidotte, Elizandro Carneiro,Felipe Sacon, Bruna Petito,Orlando Dantas,e Miriam Druwe

Operador de luz – Marcel Gilber

‘Girassóis’ (apresentação em 09/06) foi inspirado nas obras de Vicent Van Gogh e segue o fluxo de plantar e colher, em corpos que pulsam pinceladas carregadas de emoção. Os quadros Camponeses, Comedores de batatas, Semeador, Noite Estrelada, O Quarto, Casa Amarela, Girassóis, os personagens que habitam seus retratos, como O carteiro, O escolar, La Mousmè, Gauguin, Segatóri, Srta. Gachet no piano, e os autorretratos de Van Gogh nos serviram de inspiração, levando-nos a um roteiro leve, lúdico e poético.

 

Ficha Técnica

Direção: Miriam Druwe

Coreografia: Silvia Leblon e Miriam Druwe

Cenografia e Figurino: Marco Lima

Iluminação: Lucia Chedieck

Sonoplastia: Fabio Cardia

Em ‘Poetas da cor’ (Dia 16/06) a dança e a cor são apresentadas numa linguagem feita de movimento e música tecendo o encontro de sutilezas.

A cor é um universo encantado e mergulhar nesse oceano de possibilidades e cromatismos é entrar em contato com o que o mundo tem de mais belo e significativo. O espetáculo proporciona uma experiência lúdica criada a partir de partituras imaginárias e poéticas na dinâmica deletéria do gesto. As cores estão em tudo, dentro e fora das coisas, na luz, no pigmento, entre o céu e a terra, na física e na química. Ela nunca está sozinha, sempre cercada de outras, vizinhas ou distantes e produz efeitos surpreendentes. Como uma cor se comporta ao lado de outra? As combinações, personalidades, tonalidades resultam em uma composição evocativa do gesto que se faz presente em cena. Para a companhia, poetas da cor são seres, energias que acionam e resgatam a essência do poder criativo espontâneo que vive nas pessoas. O espetáculo celebra a inocência – segundo o pintor francês Henri Matisse (1869–1954), esteta da simplicidade.

A Cia Druw mergulha no universo encantado da cor, onde cria partituras lúdicas e poéticas das cores em movimento. A cor está em tudo, dentro e fora, no cheio e no vazio, na luz e no pigmento, entre o céu e a terra, na física e na química. Uma cor nunca está sozinha, está sempre cercada de outras vizinhas e produzem efeitos contraditórios.

Ficha Técnica

Concepção e Direção:  Miriam Druwe

Intérpretes/Criadores: Anderson Gouvêa, Alessandra Fioravanti, Elizandro Carneiro, Felipe Sacon,  Manu Fadul, Orlando Dantas

Colaborador dramatúrgico: Ronaldo Aguiar

Composição e direção musical: Divanir Gattamorta

pesquisa  coreográfica: Denise Namura, Michael Bugdahn e Cia Druw

Desenho de Luz: Lúcia Chedieck

Cenário e Figurino: Marco Lima

Vídeo Cenário: Tatiana Guimarães

Operação de luz: Marcel Gilber ou Tomate Saraiva

Preparação Corporal: Glauco Muller

 

De onde vem o sonho e a imaginação? Daqui vem o olho, dali vem a imagem. De lá vem o sonho com uma mensagem. Daqui, dali, de cá, de lá. Ou no mundo imaginário seria o contrário?

São estas as perguntas que o mais recente espetáculo da premiada Cia Druw pretende responder em“DALÍ, DAQUÍ OU DE LÁ?” (dia 23/06)  criado a partir de elementos presentes nas obras dos pintores Magritte, Salvador Dalí e Frida Kallo e dos preceitos surrealistas que deixavam longe a lógica para se aproximar do inconsciente.

Os surrealistas (os mais marcantes expoentes nas artes plásticas: Salvador Dalí (1904-1986), Max Ernest (1891-1976), René Magritte (1898-1967), André Masson (1896—1987), Joan Miró (1893-1983)) foram fortemente influenciados pelas teorias psicanalistas de Sigmund  Freud e trouxeram o inconsciente para o primeiro plano tornando-o parte imprescindível do processo artístico.

A proposta conceitual, a criação coreográfica e a composição cênica do espetáculo se basearam nas técnicas surrealistas de produção artísticas: A escrita e a pintura automática foram aplicadas à pesquisa de movimentos; as colagens, nas quais imagens eram reunidas aleatoriamente fizeram parte da pesquisa de objetos cênicos, jogos de improvisação e composição coreográfica e, por último, a justaposição de objetos desconexos e as associações à primeira vista impossíveis.

“Nós partimos dos caminhos indicados pelos surrealistas, em seus procedimentos, em seus devaneios, extraímos elementos de suas pinturas para livremente criarmos nossa

Composição”, diz Miriam.

Os pressupostos do surrealismo, sobretudo, contidos nas obras de Ygor Stravinsk, Erik Satiee Edgar Varése também nortearam a trilha sonora composta do espetáculo de modo que contribuíssem para as coreografias, jogos de imagens e composição.

Sugestão de Sinopse:

“DALÍ, DAQUÍ OU DE LÁ?”, espetáculo infantojuvenil inspirado nos procedimentos do movimento surrealista, em imagens poéticas, no sonho e na imaginação em uma composição livre, lúdica e poética.

Ficha Técnica
Direção: Miriam Druwe
Concepção: Miriam Druwe
Textos e Dramaturgia: Fábio Parpinelli
Cenário e Figurino: Marco Lima
Trilha Sonora: Divan Gattamorta e Guilherme Terra
Vídeo Cenário: Luciana Ramin
Desenho de Luz: Tomate Saraiva
Jogos Teatrais e Manipulação de
Objetos: Fábio Parpinelli
Confecção de Figurino: Judith Lima

Onde e Quando

Mostra Cia Druw de Repertório

Apresentação do repertório de espetáculos da Cia Druw.  Espetáculos infantojuvenis de dança inspirados em obras de artistas visuais consagrados.

Dias 02, 09, 16 e 23 de junho

Domingos, às 12h

Preços – R$ 17,00, R$ 8,50 e R$ 5,00

*Grátis para crianças até 12 anos.

 

Sesc Santo André

Endereço: R. Tamarutaca, 302 - Vila Guiomar, Santo André - SP

Horário de funcionamento da unidade: terça a sexta, das 10h às 21h30; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h30

Telefone: (11) 4469-1200

Teatro - 302 lugares

Duração - 60 minutos

Indicação de faixa etária - livre

 

Muito obrigado por ter chegado até aqui...

Ajude-nos a manter de pé o trabalho da Dança Brasil

O jornalismo vigia a arte da dança.

Está a serviço da arte da dança e da diversidade de opinião.

Há 27 anos Dança Brasil exercita o jornalismo transparente e o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta a diversidade cultural na area da dança.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores.

Faça parte da Dança Brasil assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica.

A arte da dança agradece.

Clique no link abaixo e fa;a sua assinatura anual apenas R$ 55,00

https://www.paypal.com/webapps/hermes?token=32F02702HK5524050&useraction=commit&mfid=1553687958902_64c5971e79a3b