“PAI CONTRA MÃE” NO CCBB-RJ

blog-image
Compartilhe

Há 128 anos, com a assinatura da Lei Áurea, o regime escravocrata foi oficialmente abolido do Brasil. Comparativamente, o tempo é menor em relação ao período em que a escravidão aconteceu legalmente no país: aproximadamente 360 anos. E, por mais que tenha se passado quase um século desde a abolição da escravatura, a soma desses anos deixou abertas feridas de difícil cicatrização, como o racismo e a violência contra a mulher, em especial a mulher negra. Com o objetivo de lançar luz sobre estas questões, a Cia Fusion de Danças Urbanas, de Belo Horizonte, encontrou no conto “Pai Contra Mãe”, escrito por Machado de Assis em 1906 – apenas 18 anos depois da assinatura da Lei Áurea, mas que se passa ainda na década de 1860, antes, portanto, da Lei do Ventre Livre –, inspiração para o espetáculo de dança de mesmo nome. Depois de temporada de sucesso no CCBB-BH, a companhia leva o espetáculo ao Rio de Janeiro nos dias 21 e 22 de janeiro (sábado e domingo), às 19h, no CCBB.

“A temporada de oito dias em Belo Horizonte foi incrível e com casa cheia. Foi muito bom perceber que conseguimos de fato passar a mensagem para o público presente, que respondeu ao espetáculo de forma extremamente positiva. Foi também fundamental para o amadurecimento do trabalho, que chega ao Rio mais maduro, mais forte e mais contundente”, afirma Leandro Belilo, diretor do grupo.

Duas situações conflitantes conduzem o enredo do texto machadiano que inspirou o espetáculo, que se configura como um convite à reflexão sobre temas que perpassam a vida em sociedade: de um lado, uma escrava grávida foge de seu senhorio com o sonho de ver o filho livre – uma vez que o fruto de seu ventre também estava condenado à escravidão; de outro, um homem livre da senzala descobre que vai ser pai, mas, devido às suas condições precárias de vida – como a pobreza e a fome –, vê na captura da escrava fugitiva a chance de dar um futuro ao filho, devido à recompensa que lhe seria dada.

“Esta história parece datada, mas pode ser facilmente transportada para os dias atuais, em que muitos brasileiros continuam sendo escravizados e violentados de diversas maneiras. Até hoje, feridas da escravidão do passado ainda não se cicatrizaram e se multiplicam pela associação de antigas, porém persistentes, e novas mazelas da nossa sociedade, como o racismo, a violência, o sexismo, a ânsia pelo poder e a vaidade humana”, analisa Isadora Rodrigues, integrante da companhia e produtora do espetáculo.

Para retratar situações tão complicadas, embora recorrentes, os bailarinos Leandro Belilo – que também assina a direção –, Aline MathiasAugusto GuerraIsabela Isa-GirlJonatas PituchoSilvia Kamylla e Wallison Culu (que faz assistência de direção) vão construindo as cenas a partir dos movimentos das danças urbanas, em coreografias criadas de form a colaborativa. Durante o espetáculo, o grupo problematiza temas como o racismo, a violência, a perpetuação da pobreza e suas relações com a história do Brasil por meio das coreografias pautadas em variadas linguagens provenientes do universo da cultura negra e urbana.

A trilha sonora do espetáculo foi construída a partir de criação original por Matheus Rodrigues e de eclética seleção musical proposta por Leandro Belilo, que reúne desde rock ao samba de Elza Soares. A música “Maria da Vila Matilde”, do álbum mais recente de Elza, A mulher do fim do mundo, não foi escolhida por acaso: ela vai ao encontro da proposta da coreografia de lançar luz sobre questões relacionadas à violência, neste caso, a violência doméstica contra a mulher.

Sobre a relação do conto com as questões de gênero, vale dizer que, mesmo tendo sido escrita há bastante tempo, a obra já discutia questões que ainda hoje reverberam contemporâneas, como as diferentes formas de se tratar um homem e uma mulher na sociedade. “Ainda que de forma bastante sutil, a discussão sobre gênero já está colocada no texto do Século XIX, e, agora, neste espetáculo do século XXI, fica escancarada. Esse assunto é um dos pontos mais importantes da construção desta montagem, fazendo, por isso, bastante sentido que fosse pontuada no título do trabalho”, explica Isadora.

Depois do Rio de Janeiro, a Cia Fusion de Dançar Urbanas voltará para Minas Gerais p ara apresentar “Pai Contra Mãe” em cidades da região metropolitana e do interior. Em fevereiro, o grupo se apresenta em Nova Lima, e, em março, em Ibirité. A circulação do espetáculo prossegue em abril, com uma apresentação em Uberaba, no Triângulo Mineiro.

 

PROCESSO DE PRODUÇÃO E DE MONTAGEM

Dois anos separam a ideia inicial do espetáculo “Pai Contra Mãe” até a sua materialização final. O trabalho começou a ganhar forma em 2014 com a inscrição do projeto na Lei Estadual de Incentivo à Cultura. No ano seguinte, o grupo conseguiu patrocínio do Fundo de P rojetos Culturais da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e do Programa O Boticário na Dança.

Com os devidos patrocínios, a companhia deu início, em 2015, às leituras do conto de Machado de Assis e às primeiras trocas de ideias para a construção do espetáculo. Nessa fase, o grupo contou com núcleos de consultoria nas áreas de Literatura – para os aspectos teóricos que envolvem o conto, por meio de encontros com o professor Reinaldo Martiniano Marques, da UFMG; Sociocultural, para discutir o lugar do negro na sociedade e na cultura, com encontros com o ator e ativista Alexandre de Sena; e Técnica, com o bailarino Italo Freitas, em que o elenco pôde aprofundar seu conhecimento sobre a linguagem e os movimentos do Krumping, estilo de dança urbana marcado pelo confronto.

Os ensaios se intensificaram efetivamente em abril deste ano, quando a companhia passou a ter uma sede própria, localizada no bairro Carlos Prates. Desde então, os integrantes se reúnem diariamente na Cafuá – Casa Fusion de Arte, onde acontecem os ensaios.

 

SOBRE A CIA FUSION DE DANÇAS URBANAS

Criada em 2002, em Belo Horizonte (MG), por amigos da periferia que gostavam de dançar, a companhia, que surgiu amadora, foi tomando forma profissional a partir do interesse na pesquisa e na divulgação do mais variados aspectos de danças urbanas. Por meio da dança, a Cia Fusion busca a aproximação da cultura de rua – que até hoje é alvo de preconceitos – às outras manifestações da arte. Ao todo, a companhia tem cinco espetáculos estreados: “Som” (2009), “Matéria Prima” (2012), “Meráki” (2013), “Quando efé” (2014) e “Primeira à esquerda, e segunda à direita” (2014).  Com esses espetáculos, apresentou-se em importantes festivais, tais como como Vivadança (Salvador, BH e Vitória, 2014); Verão Arte Contemporânea (2010, 2012, 2013 e 2015); FAN (2012, 2013 e 2015); FID (2015), Virada Cultural de BH (2015), Festival de Inverno da UFMG (2013), Festival de Inverno de Itabira (2012), entre outros, circulou por 18 diferentes cidades de cinco diferentes estados brasileiros e foi assistida por mais de 10 mil espectadores. Em 2014, a Cia Fusion foi vencedora do Prêmio Brasil Criativo na categoria Dança. No ano seguinte, a Companhia realizou a primeira edição de Festival Orbe de Danças Urbanas, e, em 2016, inaugurou sua sede, a Cafuá – Casa Fusion de Arte. A companhia foi, ainda, duas vezes vencedora do Prêmio Cena Minas, em 2012 e 2015.

 

___________________

SINOPSE

Sete corpos dançantes trazem ao palco os desafios de ser negro e de ser mulher em uma sociedade ainda desigual e opressora. Inspirado no conto homônimo de Machado de Assis, “PAI CONTRA MÃE” busca, por meio da linguagem das danças urbanas, tematizar e promover reflexão acerca de questões que perpassam nossa memória e nosso presente, em que as feridas da escravidão do passado ainda não se cicatrizaram e se multiplicam pela associação de antigas, porém persistentes, e novas mazelas da sociedade: o racismo, a violência, o sexismo, a ânsia por poder e a vaidade.

 

SERVIÇO

“Pai Contra Mãe"

Apresentações: 21 e 22 de janeiro (sábado e domingo), às 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil – Teatro 1. Rua Primeiro de Março 66, Centro. Tel.: (21) 3808 2020.

Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)

Lotação: 175 lugares. Duração: 55 min. Classificação etária: 12 anos. 

CCBB: http://culturabancodobrasil.com.br/portal/pai-contra-mae-2/

FaceBook: https://www.facebook.com/ciafusion

 

FICHA TÉCNICA

“Pai Contra Mãe” - Cia. Fusion de Dança Urbanas

Inspirado em conto homônimo de Machado de Assis

Idealização: Isadora Rodrigues e Leandro Belilo

Direção: Leandro Belilo

Assistente de direção: Wallison Culu

Coreografia: Criação colaborativa

Intérpretes: Aline Mathias, Augusto Guerra, Isabela Isagirl, Jonatas Pitucho, Leandro Belilo, Silvia Kamylla e Wallison Culu

Figurino: Helaine Freitas

Cenário: Leandro Belilo e Mauricio Leonard

Trilha sonora: Leandro Belilo (seleção musical) e Matheus Rodrigues (criação original e apoio técnico).

Iluminação: Leandro Belilo e Edimar Pinto

Orientação de pesquisa: Reinaldo Martiniano Marques e Alexandre de Sena

Preparação corporal (Krumping): Italo Freitas

Provocaçõ es: Gil Amâncio

Assessoria de Imprensa: Máquina de Escrever Comunicação (RJ) | A Dupla Informação (MG)

Design gráfico: Alegria Design

Produção artística e coordenação de projeto: Isadora Rodrigues

Produção Executiva: Isadora Rodrigues e Victor Luciano